Arsenal: um passo a mais na Europa League

Por Lucas Nicolau


Após excelente partida e um resultado que poderia ter sido muito maior no Emirates semana passada, o Arsenal entrou em campo nesta quinta-feira (12), em Moscou, tentando conseguir segurar o 4-1, jogando de forma segura (até demais) e sem cometer riscos.


Com isso em mente, Wenger voltou a usar Wilshere mais atrás no 4-3-3 ao invés de meia-atacante em um 4-2-3-1 como vinha acontecendo nas últimas exibições.


Isso deu certo no começo, quando o time conseguiu manter certa posse e deixar a equipe do CSKA longe do gol - e embora os russos estivessem mais agressivos e vencendo os duelos, voltou-se a notar que o Arsenal chegava sempre com perigo em situações de contra-ataque contra a mais uma vez lenta defesa adversária.


Foram pelo menos três ou quatro situações em que o pessoal de Londres poderia ter aberto o marcador antes dos 30 minutos, mas com uma troca de passes não tão fluída como na ida, a equipe pecou demais no último passe e, mesmo quando a bola chegou para Lacazette em chance clara, o atacante perdeu tempo no domínio e bateu sem convicção perante a marcação.


O centroavante francês, inclusive, não teve boa atuação. Talvez devido a falta de ritmo nesta sequência de jogos após lesão, pareceu estar sempre um passo atrás nas jogadas, não sendo efetivo na associação com os meias, muito menos sendo incisivo dentro da área.


Nos quinze minutos finais do primeiro tempo o CSKA conseguiu instalar sua pressão no campo do Arsenal, conseguindo sempre vantagem pelos flancos onde conseguiam tirar cruzamentos com facilidade. E mais uma vez notou-se a dificuldade extrema da equipe de Wenger de sair pelo chão e tentar controlar o jogo.


Wilshere poderia fazer a diferença em situações como essa, mas já vem de um bom número de jogos uma notória queda de rendimento do camisa 10. Ele perece ter perdido seu motor para arrancar com a bola - sua principal característica - e seu primeiro passo sempre importante pra ele bater a marcação. Muita gente vinha atribuindo isso a ele estar jogando mais avançado, mas provavelmente Jack esteja 'sofrendo' pela sequência de jogos e treinos intensos na temporada, algo que que não ocorreu no Bournemouth.


Seu corpo não está acostumado, ou seja, nada alarmante e que no futuro pode até ajudá-lo em sua recuperação total.


Aos 39 minutos, com a lesão de Dzagoev e a entrada de Vitinho, o CSKA passou a atuar com três jogadores avançados, mais diretos e assim o jogo entre os lados se intensificou. Após outro cruzamento na área, Nababkin ganhou de Monreal e obrigou Cech a fazer difícil defesa, mas no rebote Chalov abriu o marcador.


Na volta do intervalo, Wenger tentou melhorar o combate à pressão dos russos, a marcação pelos lados e os três atacantes recuando Elneny pra defesa, atuando entre Mustafi e Koscielny. Porém, a medida não surtiu efeito algum e a equipe russa continuou martelando até conseguir o segundo gol em outro rebote de Cech logo aos 49 minutos.


A partir daí, quando o caos parecia se instalar de vez e a classificação londrina começava a ficar em risco, Elneny voltou a atuar como volante, 'colocou a bola debaixo do braço' e o Arsenal a diminuir o ritmo do jogo, controlando mais a posse.


O CSKA começou a decair fisicamente, parou de incomodar a saída de bola e só voltou a finalizar aos 71', em chute perigoso do zagueiro Ignashevich após falha de Özil em uma recuperação.


Getty Images
Getty Images

Dupla Ramsey e Welbeck entrou em ação; marcaram os dois gols do Arsenal com duas assistências de Elneny


Com a entrada de Chambers e a volta de vez ao 3-4-3, os visitantes se mantiveram no controle setorial, não sofreram mais nas bolas aéreas, e consequentemente, aos 75', em surpreendente drible de Welbeck, Elneny achou o 'atacante' inglês de forma genial na área, em uma tabela perfeita que parecia ter saído diretamente do Winning Eleven de PS1.


Era o gol que finalmente chegava pra encaminhar de vez a classificação. A partir daí os comandados de Goncharenko se lançaram à frente de qualquer maneira, mas já fisicamente debilitados, só começaram a deixar mais espaços atrás, onde o Arsenal poderia ter tranquilamente virado a partida caso Özil estivesse num dia melhor, só conseguindo mais um gol com Ramsey nos últimos momentos, dando números finais ao marcador.


ATLETI - O sorteio das semifinais da Europa League definiram que o Arsenal vai encarar o Atlético de Madrid.


Primeiro jogo no dia 16, no Emirates Stadium. A volta, dia 3, no recém-nascido inaugurado Wanda Metropolitano.