Em 1996, Wenger chegou a ser 'demitido' do Arsenal

Getty Images
Getty Images

E se a mentira fosse verdade? O que teria sido do Arsenal?


Após poucos meses no comando, Arsène Wenger estava demitido do comando técnico do Arsenal. Foi o que publicou a CityScreen, uma agência de notícias da Inglaterra. O problema disso tudo é que a notícia era falsa. A informação foi imediatamente removida, mas já era tarde demais.


Em agosto de 1996 o Arsenal demitiu Bruce Rioch, o antecessor de Wenger. Stewart Houston e depois Pat Rice assumiram o comando interinamente, até que um técnico fosse contratado. O favorito para o cargo era o atleta e técnico Johan Cruyff, do Barcelona. Mas o conselho do clube viu em Arsène Wenger, do Nagoya Grampus, o nome certo para o comando.


Então, após algumas negociações com os japoneses, o clube anunciou a contratação do francês em setembro.


Wenger assumiu o time em segundo lugar na tabela. Estreou com vitória e na sequência um empate. Foi o suficiente para a equipe assumir o topo do campeonato.


Tudo ia bem, até que uma fake news - modernamente falando - tentou abalar as estruturas do professor.


Não se sabe a versão correta, mas algumas histórias dizem que após algumas fofocas, chegou aos ouvidos da tal CityScreen que Arsène seria demitido. Na sede pelo furo de reportagem, a agência publicou a informação, às 10h10. Imediatamente a notícia foi removida, mas já era tarde demais. 10h15 todos já estavam sabendo.


Conta-se que os principais jornais do país foram chamados por alguém que dizia ser o gerente de marketing do Arsenal. Ele afirmava que Wenger fora demitido às oito e meia da manhã.


O que é verdade é que, à tarde, o Arsenal convocou a imprensa para que Wenger se pronunciasse. Até então, o técnico havia sido orientado a ignorar as falsas acusações, mas a forte pressão fez o clube mudar de ideia.


"Eu não tenho que explicar nada, mas estou triste porque o Arsenal deve ser respeitado e eu também deveria", declarou Wenger.


A CityScreen foi forçada a emitir um pedido de desculpas, que foi publicado no programa do jogo do Arsenal contra o Stoke, em 13 de novembro de 1996.


Na época, o Independent informou que, misteriosamente, um dono de uma casa de apostas revelou que, duas semanas atrás, o estabelecimento começou a receber inúmeros apostadores querendo apostar que a saída de Wenger era iminente.


Quem apostou, perdeu dinheiro - e mal podiam imaginar quanto tempo ele ficaria por lá.