Quem será o substituto de Arsène Wenger?

Alguém mais experiente ou uma aposta? Qual o perfil de técnico que o clube escolherá para substituir Arsène Wenger?


Apesar do simples fato de perder o treinador após quase 22 anos já ser uma transição drástica, o Arsenal não espera fazer uma mudança radical. Wenger sai, mas a sua filosofia fica. Alguém com o estilo de Diego Simeone, por exemplo, que preza pelo contra-ataque, dificilmente terá vez por aqui.


O professor francês desembarcou em Londres e mudou o estilo de jogo do time. O Arsenal passou a ser mais imponente dentro de campo. Somos nós que devemos jogar e ter a posse de bola, não o adversário.


Então, alguém com esse estilo pode, sim, ser considerado um candidato ao cargo. Muitos nomes já surgiram como prováveis pretendentes, mas somente alguns deles realmente interessam o clube.


Nomes consagrados como Massimiliano Allegri e Carlo Ancelotti são cotados.


Allegri faz um bom trabalho na Juventus, que deverá conquistar o sétimo scudetto seguido - seria o quarto do técnico com a equipe e o quinto em sua carreira (ganhou um com o Milan, em 2010/11).


Tem um estilo semelhante ao de Wenger. Adepto de um futebol de posse, seu time troca passes com paciência e sabe controlar a bola. Atualmente, joga com três zagueiros e dois jogadores na linha ofensiva (Dybala e Higuaín), mas no Milan, atuou e venceu a Serie A jogando no 4-3-1-2.


Getty Images
Getty Images

Allegri: 50 anos e quatro títulos italianos nas últimas quatro temporadas


Já o também italiano Ancelotti, parado desde 2016/17, quando demitido do Bayern, tem seu nome ventilado antes mesmo do anúncio da saída de Wenger. É bom de vestiário, sabe administrar bem elencos e tem um currículo muito vencedor.


Teve boa passagem no Real Madrid, mas no clube alemão deixou a desejar. Pegou um estilo de jogo deixado por Guardiola e não conseguiu dar sequência. Fica a última impressão.


Porém, no Arsenal tudo é diferente. Não seria surpresa nenhuma Gazidis e sua galera escolherem alguém bem menos conhecido. Está no sangue do clube. Em 1996 foi assim, quando deixamos Johan Cruyff de lado para contratar um tal de Arsène Wenger, que estava no Japão.


O francês substituiu Bruce Rioch, trazido do Bolton para assumir a equipe, que antes era treinada por George Graham, que quando chegou, em 1986, tinha experiência apenas no Milwall, na segunda divisão.


Graham, inclusive, ficou por nove anos no clube. Também faz parte escolher alguém que queira ficar por muito tempo.


Entre os nomes menos badalados estão Rui Faria, assistente técnico de José Mourinho no Manchester United, e Zeljko Buvac, ex-auxiliar de Jurgen Klopp - trabalhou com ele por 17 anos.


Nas apostas estão treinadores com uma boa fama recente, como Leonardo Jardim, do Monaco, e Luis Enrique, ex-técnico do Barcelona. O último, inclusive, é visto com bons olhos pela diretoria.


Getty Images
Getty Images

Arteta é auxiliar de Guardiola desde que encerrou a carreira, em 2016


Na ala dos ex-jogadores circulam os nomes de Patrick Vieira, treinador do New York City, e Mikel Arteta, atual campeão da Premier League como auxiliar de Pep Guardiola no Manchester City. O espanhol, inclusive, me agrada muito.


O Arsenal analisa com cuidado o substituto. E está certo. Um deslize e podemos seguir os rumos do Manchester United pós-Ferguson, que se deu mal ao cair de produção consideravelmente com David Moyes e, posteriormente, com Louis van Gaal.


De acordo com a BBC, o clube está confiante em confirmar o novo comandante antes do início da Copa do Mundo, em 14 de junho.