Como Unai Emery seduziu o Arsenal

Getty Images
Getty Images

Gazidis apresenta as dependências do clube para Emery


Enquanto boa parte dos brasileiros levantavam de suas camas para trabalhar ou estudar, o chefe-executivo Ivan Gazidis já havia apresentado as estruturas do Arsenal para Unai Emery. O espanhol de 46 anos foi confirmado pelo clube na manhã desta quarta-feira (23) como o novo técnico da equipe.


A escolha de Emery surpreendeu a muitos. Quando muitos já aguardavam o anúncio oficial de Mikel Arteta, o ex-comandante do Paris Saint-Germain brotou na liderança da corrida pelo cargo e, poucos dias depois, foi concretizado como o sucessor de Arsène Wenger.


Antes da confirmação, a história que parte da imprensa contou era de que Emery era o favorito da diretoria para assumir o comando. No entanto, não parece que essa seja a versão verdadeira.


O Telegraph apontou que o primeiro contato entre as duas partes só foi feito há 10 dias, depois que a maioria das entrevistas com os outros candidatos já havia acontecido.


Arteta, Patrick Vieira e Massimiliano Allegri foram os primeiros a serem cogitados pelo Arsenal.


Allegri optou por não deixar a Juventus, assim como Julian Nagelsmann, que também foi procurado e preferiu permanecer ao menos mais uma temporada no Hoffenheim. Enquanto Vieira teria ficado "aborrecido" pela demora do Arsenal em contatá-lo.


Assim, Arteta tornou-se o único candidato. Mas, o status de favorito do espanhol durou pouco. Junto com um agente, Emery convenceu Gazidis, Sven Mislintat e Raúl Sanllehí de ouvirem o que ele tinha pra falar. Assim, Unai vendeu seu peixe.


E vendeu bem.


Ao que parece, ele produziu uma apresentação impressionante em sua entrevista. Planejou suas ideias em torno de dois jogadores-chave que, em sua visão, são cruciais para a equipe: Aubameyang e Ramsey. O conhecimento que Emery mostrou ter do plantel do Arsenal surpreendeu Gazidis e foi o bastante para fazer a cúpula esquecer Mikel Arteta.


Emery, inclusive, fez uma análise aprofundada de cada atleta e forneceu estatísticas detalhadas e informações de como iria melhorá-los.


Aprimorar jogadores, inclusive, está no histórico do técnico. No PSG, tirou o melhor de Marquinhos e Kimpembe, lembra Chris Wheatley, do Goal.com.


O jornal acredita até que o novo treinador tenha conversado com Wenger. O francês teria dado conselhos de áreas onde a equipe precisa se fortalecer, enfatizando o setor defensivo.



Juan Carlos Carcedo, o assistente


Junto de si, Juan Carlos Carcedo também integrará o clube, assim como outros profissionais da confiança de Emery.


Carcedo, que trabalha com o comandante desde 2008, merece destaque, no entanto, por já ter se envolvido em problemas de vestiário. Alguns jornais franceses afirmam que o auxiliar não gostava de certos jogadores do PSG, que o acusaram de "falta de calor", o que pode ter influência no Arsenal, caso realmente este seu temperamento seja verídico.


A chegada de Carcedo pode complicar, também, a permanência de Steve Bould, que ao lado de Jens Lehmann, aguardam uma posição do clube sobre quais atividades vão exercer agora que Wenger saiu.