Atlético de Madrid: quem está perto da Copa do Mundo e quem corre por fora

A menos de três meses para a Copa do Mundo, vivemos a última data Fifa antes da convocação final.


Neste período de amistosos preparatórios, dez jogadores do Atlético de Madrid com chances de disputarem o Mundial estão a serviço de suas respectivas seleções.


Enquanto uns estão praticamente garantidos na Rússia, outros ainda buscam seu espaço e correm contra o tempo para não ficarem de fora.


Abaixo, veja em que situação está cada jogador colchonero que alimenta a chance de estar na Copa:  


Antoine Griezmann


Artilheiro da Eurocopa de 2016, o grande atacante do Atlético de Madrid participou de todos os 10 jogos da França nas Eliminatórias Europeias, tendo marcado 4 gols.


Pelo nível de desempenho no clube e pelo retrospecto na seleção, é titular incontestável de um poderoso e disputado ataque que ainda conta com nomes como Kylian Mbappé, do PSG, Ousmane Dembelé, do Barcelona, e Olivier Giroud, do Chelsea.


Em condições normais, não há absolutamente nenhuma hipótese de não vê-lo na lista final de Didier Deschamps. Se não for por algum problema físico, será a segunda Copa do Mundo de Griezmann, que em seu auge técnico aos 27 anos está mais preparado para uma competição deste calibre do que há quatro anos, no Mundial do Brasil. 


Getty Images
Getty Images

Principal atacante da França, Griezmann não conseguiu balançar as redes na derrota por 3 a 2 para a Colômbia, na última sexta-feira, em pleno Stade de France, em Paris


Sime Vrsaljko 


O lateral-direito do Atlético de Madrid participou de nada menos do que 10 jogos da Croácia nas Eliminatórias - só não foi titular na vitória contra a Ucrânia, em Zagreb, e na derrota para a Islândia, em Reykjavík. Em novembro do ano passado, na goleada por 4 a 1 sobre a Grécia pelo jogo de ida da repescagem, Vrsaljko participou diretamente dos dois últimos gols croatas, servindo Perisic e Kramaric.


Em um time que conta com Luka Modric, do Real Madrid, Ivan Rakitic, do Barcelona, entre outros nomes de ponta do futebol europeu, não é exagero dizer que Vrsaljko foi um dos grandes responsáveis pela classificação da Croácia à Copa do Mundo. É nome praticamente certo na convocação do técnico Zlatko Dalic, em maio. 


Diego Godín


Em meio a uma tentativa de renovação do grupo, a seleção uruguaia ainda tem Godín como o grande xerife de sua defesa. Aos 32 anos, o experiente zagueiro do Atlético de Madrid mostra que ainda tem lenha para queimar com sua seleção, mesmo depois de 102 jogos disputados com a camisa celeste. Soberano na bola aérea, fez três gols de cabeça nas Eliminatórias.


Homem de confiança de Óscar Tabárez, é um dos remanescentes do time que foi quarto colocado na Copa de 2010 e que avançou às oitavas após eliminar Inglaterra e Itália na fase de grupos, em 2014. Figurinha certa nos campos russos em junho. 


Koke


Koke participou de 8 jogos da Espanha nas Eliminatórias, esteve presente em todas as convocações de Julen Lopetegui desde que este assumiu o comando da Fúria, em 2016. Imaginá-lo fora da Copa do Mundo soa quase como um delírio neste momento. Não há muito o que falar, Koke estará na Rússia.  


Diego Costa


O atacante brasileiro naturalizado espanhol já mostrou do que é capaz em suas passagens por Atlético de Madrid e Chelsea, mas ainda precisa provar seu valor na seleção. Na última Copa do Mundo, sofreu o pênalti do único gol da Espanha na histórica goleada sofrida para a Holanda por 5 a 1 e...só. Depois disso, foi cortado da Eurocopa por questões físicas e de indisciplina.


Nas Eliminatórias, marcou 5 gols em 5 jogos. Jogou apenas metade do qualificatório porque ficou inativo no segundo semestre do ano passado, devido a tumultuada saída do Chelsea e o acerto com o Atlético de Madrid que só poderia inscrever reforços a partir de janeiro. Agora, retoma o bom nível e tem tudo para estar entre os 23 convocados de Julen Lopetegui. 


Vitolo 


Assim como Diego Costa, Vitolo também jogou metade das Eliminatórias: 5 jogos, com 4 gols. No entanto, ele está claramente degraus atrás de seu companheiro de clube. Além disso, o fato de não estar na lista para os amistosos contra Alemanha e Argentina não é um bom prenúncio. A disputa com Rodrigo, do Valencia, e Iago Aspas, do Celta de Vigo, é dura. Neste momento, parece mais fora do que dentro da Copa do Mundo. 


José Giménez


Parceiro de defesa de Godín no Atlético de Madrid, Giménez é um dos nomes que hoje parecem intocáveis na seleção urugaia. Não há dúvida de que o entrosamento entre os dois é fator determinante para a solidez defensiva que o Uruguai apresentou em muitos momentos nesta década. Giménez viveu um período de crise técnica no ano passado, mas neste momento está com o futebol e a confiança recuperados. Sua presença na Copa do Mundo é praticamente garantida.   


Getty Images
Getty Images

José Giménez (à esquerda) e Diego Godín (à direita), durante Copa do Mundo de 2014, no Brasil 


Ángel Correa


O jovem atacante de 23 anos faz sua melhor temporada com a camisa do Atlético de Madrid, depois de três anos de amadurecimento e adaptação. Ter participado de 6 jogos das Eliminatórias e estar na última lista de Jorge Sampaoli antes da convocação final são bons sinais.


Se mantiver o alto nível até maio, tem boas chances de estar na Copa do Mundo, mas não dá pra botar a mão no fogo, não! Afinal, a Argentina tem muita gente boa no ataque: Messi, Di María, Agüero, Dybala, Icardi, Higuaín, Lautaro Martínez.... Quem vai rodar?


Saúl Ñíguez


Saúl é um dos grandes meio-campistas que a Espanha produziu nesta década.  Sorte do Atlético de Madrid tê-lo em seu plantel. Ele participou de apenas 3 jogos das Eliminatórias, mas Lopetegui não parece inclinado a deixá-lo de fora da Copa do Mundo. No amistoso contra a Alemanha, na última sexta-feira, Saúl entrou no segundo tempo no lugar de Iniesta.


Versátil, ele pode jogar tanto como primeiro quanto segundo volante. No Atlético, virou titular absoluto jogando mais adiantado, projetando-se à frente. Na seleção, ainda é reserva, mas parece moldado a jogar um pouco mais recuado na atual conjuntura, da mesma forma como Busquets. É uma espécie de reserva de luxo do volante do Barcelona, com potencial para virar titular em próximos ciclos. 


Lucas Hernández


O lateral-esquerdo francês ganhou sua primeira oportunidade com a camisa da França justamente no amistoso contra a Colômbia, na última sexta-feira. Até então, só havia tido oportunidades na seleção de base.


Se for à Copa do Mundo, será um daqueles novatos que chegam em cima da hora e ainda conseguem o bilhete dourado para o Mundial. Se isso acontecer, será graças ao bom nível com que atua no Atlético de Madrid, nas mãos de Diego Simeone


Kevin Gameiro


Compatriota de Griezmann, Gameiro não esteve na Eurocopa e foi convocado apenas duas vezes ao longo de toda a caminhada da França nas Eliminatórias. Pela forte concorrência, corre por fora por um lugar no ataque da França que vai à Copa do Mundo. Terminar a temporada voando será um desafio, já que a concorrência noo Atlético de Madrid também é grande. A presença de Gameiro na Copa do Mundo deve depender de um possível corte alheio de última hora. 


Filipe Luís


De todos os jogadores do Atlético que brigam por uma vaga na Copa do Mundo, o lateral-esquerdo brasileiro Filipe Luís é o caso mais complexo. Fraturou a fíbula há menos de 15 dias e não é um jogador tão indispensável assim para a seleção brasileira de Tite. O risco de levar um atleta sem ritmo de jogo e voltando de uma lesão como esta deve pesar. Ironicamente, Filipe Luís se machucou justamente no país da Copa do Mundo, na cidade que vai sediar a final. Tão perto, mas tão longe! 


Getty Images
Getty Images

Filipe Luís precisou sair de maca na partida contra o Lokomotiv Moscow, pela Europa League


COPA DO MUNDO SÓ PELA TELEVISÃO


Juanfran


O lateral-direito do Atlético de Madrid integrou o grupo da Espanha que disputou a Copa do Mundo de 2014, no Brasil, e a Eurocopa de 2016, na França, sob o comando de Vicente Del Bosque. No entanto, nunca teve oportunidade com o técnico Julen Lopetegui. Muito difícil imaginar um retorno à seleção em um momento tão importante. A concorrência com Daniel Carvajal, do Real Madrid, e Alvaro Odriozola, da Real Sociedad, complicam a situação. Talvez somente em caso de emergência. 


Fernando Torres


Campeão mundial em 2010, bicampeão europeu em 2008 e 2012, além de artilheiro da Copa das Confederações de 2013, "El Niño" Torres não aparece em uma convocação da Espanha desde a lista de Vicente Del Bosque para a Copa do Mundo de 2014. O tempo passou e outros atacantes tomaram seu lugar. As chances de Fernando Torres disputar o Mundial da Rússia beiram a zero. 


Gabi


Titular do Atético de Madrid, o veterano volante de 34 anos jamais vestiu a camisa da seleção espanhola. Não tem nenhuma chance de integrar o grupo da Espanha na Copa.


Sempre bom lembrar que o goleiro Jan Oblak, o zagueiro Stefan Savic e o volante Thomas Partey são titulares absolutos de Eslovênia, Montenegro e Gana, respectivamente, mas não vão disputar a Copa do Mundo por motivos óbvios: suas seleções não conseguiram a vaga.