O dia em que Diego Simeone sofreu nas mãos do Arsenal de Wenger

Nesta quinta-feira, às 16h05 (horário de Brasília), o Atlético de Madrid visita o Arsenal, no Emirates Stadium, em Londres. Será o primeiro de dois encontros entre duas camisas pesadas que têm a Liga Europa como última e única chance de troféu na temporada.


A partida marca o duelo entre os dois treinadores mais longevos dos clubes da elite do futebol europeu. Se Diego Simeone está à frente do Atlético há pouco mais de sete anos, Arséne Wenger já soma 22 anos nesta que será sua última temporada no comando dos Gunners. 


O Atlético de Madrid de Simeone jamais enfrentou o Arsenal de Wenger. Mais do que isso, as duas agremiações nunca se cruzaram em jogos oficiais na história das competições europeias.


No entanto, quando defendia a Lazio, Diego Simeone já teve a experiência de bater de frente com Wenger. E, olha, não foi uma experiência nada agradável para o ex-zagueiro argentino. 


Foram dois confrontos pela fase de grupos da UEFA Champions League 2000/2001. No primeiro deles, no dia 26 de setembro de 2000, vitória do Arsenal de Wenger sobre a Lazio de Simeone por 2 a 0, no antigo estádio Highbury, com dois gols do sueco Ljungberg. 


Algumas semanas mais tarde, no dia 16 de outubro, novo encontro entre as duas equipes, desta vez no Estádio Olímpico de Roma. No primeiro tempo, o meia tcheco Pavel Nedved abriu o placar para os italianos. No segundo tempo, a temperatura subiu. Após uma batida de escanteio, Simeone levou uma cotovelada do zagueiro francês Gilles Grimandi - que defendeu o Arsenal entre 1997 e 2002. 


Um lance claro de agressão ignorado pelo árbitro alemão Hellmut Krug. Sempre explosivo em campo, Simeone partiu para cima de Grimandi e teve de ser contido pelos companheiros para não revidar, o que fatalmente significaria a expulsão do argentino. 


Getty Images
Getty Images

O zagueiro Alessandro Nesta, que depois defenderia o Milan, segura Diego Simeone  para evitar uma confusão maior com o zagueiro Grimandi, do Arsenal


Com bastante sangue no rosto, Diego Simeone saiu de campo, levou seis pontos na região do supercílio e teve a cabeça enfaixada para continuar na partida.


O jogo prosseguiu e o Arsenal ainda empatou com Robert Pirès. Uma noite que certamente Simeone se recorda até hoje pelos danos esportivos e físicos sofridos.


Getty Images
Getty Images

Após a agressão sofrida, Diego Simeone ainda se envolveu em outros lances ríspidos com Grimandi


No entanto, dias depois, a UEFA puniu Grimandi com três jogos de gancho. Além disso, suspendeu por duas partidas o sérvio Sinisa Mihajlovic, da Lazio, por xingamentos racistas ao francês Patrick Vieira.


Na ocasião, Vieira afirmou que Mihajlovic o chamou de "macaco negro". Embora tenha admitido isso, o sérvio negou que fosse racista e disse que Vieira havia o chamado de "cigano". 


Foi um jogo que pegou fogo! Dezoito anos depois, Simeone tem a chance de se vingar do Arsenal de Wenger. Que desta vez, haja menos violência e mais futebol, mas que Cholo leve a melhor. Aúpa Atleti!