Atlético de Madrid campeão: o destino finalmente sorriu para Griezmann

Site Oficial/Atlético de Madrid
Site Oficial/Atlético de Madrid

Atlético de Madrid comemora vitória por 3 a 0 sobre o Olympique de Marseille, em Lyon


Hamburgo, 2010! Bucareste, 2012! Lyon, 2018!


O Atlético de Madrid é tricampeão da Liga Europa!


Na primeira vez, Diego Forlán fez dois gols contra o Fulham.


Na segunda, Falcao García anotou outros dois contra o Athletic Bilbao.


Na terceira, Antoine Griezmann não poderia deixar de manter a tradição diante do Olympique de Marseille.


Artilheiro da noite e melhor jogador em campo, Griezmann conquistou o primeiro título internacional de sua carreira.


Oito gols e quatro assistências em 10 jogos nesta Liga Europa. Copenhagen, Lokomotiv Moscow, Sporting, Arsenal e Marseille sofreram em suas mãos. Ou melhor, em seus pés.


Curiosamente, o atacante francês foi campeão pelo Atlético no início de sua primeira temporada (Supercopa da Espanha, em 2014) e agora no fim de (muito provavelmente) sua última temporada. E justamente no estádio de seu time de coração, em seu país de origem.


Na última vez que havia jogado em Lyon, Griezmann também havia feito dois gols e sido o homem da partida. Estou falando das oitavas-de-final da Eurocopa de 2016, contra a Irlanda. Mas naquela oportunidade, o final da história não havia sido feliz. 


Mais do que isso, 2016 definitivamente foi um ano maldito para Griezmann, tanto pelo pênalti perdido na final da Champions, em Milão, contra o Real Madrid, quanto pela perda do título da Eurocopa para Portugual, em pleno Stade de France, em Paris. Em dois anos, Griezmann foi do inferno ao paraíso.


Além dele, a decisão da Liga Europa teve outros quatro grandes personagens. Do lado espanhol, Germán Burgos, Gabi e Fernando Torres. Do lado francês, Dimitri Payet.


Burgos vinha conduzindo o Atlético à beira do campo desde os 10 minutos do primeiro tempo do duelo contra o Arsenal, em Londres, por causa da expulsão de Diego Simeone e da posterior suspensão da UEFA ao treinador.


Gabi, por sua vez, não marcava desde 2015 e o destino o presenteou com o gol que fechou o caixão da final. Merecido. Já Fernando Torres ergueu o primeiro troféu desde que voltou ao Atlético, nesta que será a última temporada vestindo a camisa de seu clube de coração. 


Por fim, Payet, a grande esperança do Marseille na decisão desta quarta-feira, viveu um pesadelo. Primeiro, deu linda assistência para um gol incrivelmente perdido por Germain logo no primeiro ataque da partida.


Na sequência, foi obrigado a deixar o campo por lesão, sob lágrimas, aos 30 minutos do primeiro tempo.


Beijar a taça na entrada de campo definitivamente não lhe deu sorte! 


Afinal, a sorte acompanha o campeão! E o campeão é o Atlético! 


Aúpa!


Site Oficial/Atlético de Madrid
Site Oficial/Atlético de Madrid

Atlético de Madrid ergue a taça de campeão da Liga Europa, em Lyon