Ingratidão: Rodolfo deixa o Atlético-PR e deve acertar com o Fluminense

No post sobre a escolha do goleiro ideal para a temporada, Rodolfo figurava no topo da lista. Pelo ótimo ano que fez pelo Oeste, por ser um goleiro que domina bem praticamente todos os fundamentos e ainda conta com um bom jogo terrestre, o que seria levado em conta por Fernando Diniz. Além, é claro, da sua volta por cima. 


Após se declarar dependente químico em 2012, depois de cair em um exame antidoping por uso de cocaína, Rodolfo pediu ajuda ao Atlético-PR, que, apostando no goleiro, lhe ofereceu todo o suporte para a recuperação, mesmo que o processo tenha tido altos e baixos. O apoio envolveu psicologia, medicina e advocacia, visto que o goleiro correu o risco de ser banido do esporte após ser flagrado pela segunda vez. 


O clube passou a provar mensalmente para o STJD, através de relatórios, que Rodolfo não fazia mais uso de drogas. Suspenso por dois anos, o jogador teve sua pena reduzida, sendo liberado para jogar no final de 2013. Recuperado, foi reintegrado ao grupo e se tornou capitão da equipe sub-23.


Gazeta Press
Gazeta Press

Rodolfo atuando pelo Furacão em 2015, contra o Sport


Seu espaço na equipe principal não era uma questão muito debatida, visto a ascensão de Weverton, que posteriormente se tornaria ídolo. Entretanto, sem pensar em se livrar de Rodolfo, o Atlético prorrogou seu contrato e o emprestou. Primeiro, para a Ferroviária e, depois, para Oeste, onde alcançou notoriedade e foi eleito o melhor goleiro da Série B 2017. 


De volta ao Furacão após a saída de Weverton, Rodolfo teria a concorrência de Léo e Santos. E, por motivos apontados no texto anterior sobre a escolha do goleiro da temporada, ele sairia na frente de seus colegas de elenco. Mas preferiu esquecer de todo o respaldo do Furacão.


Com contrato de renovação em mãos, Rodolfo, que receberia 60 mil mensais, escolheu o Fluminense, que lhe pagará um salário superior (na casa dos 100 mil, de acordo com as primeiras informações). Por lá, também terá que lutar pela titularidade, saindo em desvantagem na disputa com De Amores.


Escolhas. Rodolfo fez a sua, optando por interromper sua trajetória de superação no Furacão, que lhe preparou profissionalmente até esse exato momento de sua carreira, quando estaria condicionado a brilhar por aqui. Esperamos que ele saiba o que está fazendo e esteja tranquilo com sua consciência.