Polêmica? "Celular de Santos" rouba as atenções no final de semana

A primeira reação geral ao ver a imagem do goleiro Santos mexendo no celular segundos antes do apito (mais espeficicamente no "um minuto de silêncio") no duelo contra o Galo envolve palavras que não podem ser ditas nesse texto. Pensando um pouco, depois, de cabeça fria, era muito difícil que aquilo fosse o que todos estavam pensando, por vários motivos. Mas, enquanto alguns estavam processando e tentando entender a informação, o vídeo já tinha, sem exagero algum, se espalhado mundialmente. E aí, explica como? 


Primeiro, a ação do Atlético é bem interessante. Faz parte do "Maio Amarelo", para conscientizar pessoas sobre acidentes de trânsito causados por celulares. Afinal de contas, quem acha absurdo um goleiro mexer no celular durante uma partida de futebol, muitas vezes, acaba repetindo o ato, porém em uma situação de maior perigo. 



"O que eu fiz em campo é igual ao que milhares de pessoas fazem todos os dias no carro. Só que se envolver em um acidente de trânsito, é muito mais perigoso do que tomar um gol", disse o goleiro atleticano. 



Era complicado realizar essa campanha driblando um eventual rebuliço nas redes sociais, como de fato aconteceu. No meio tempo entre o fato e a explicação do clube, muitos (o que inclui torcedores e não-torcedores) acusaram Santos de falta de profissionalismo, apontaram o tamanho do absurdo daquele acontecimento, falaram sobre interferência externa e decretaram, como costuma acontecer, o "FIM DO FUTEBOL". 


Reprodução
Reprodução

A imagem do final de semana


Vejamos: Santos é um profissional exemplo, que presta serviços ao Atlético há quase uma década, esperando sua oportunidade como titular e, até o momento, agarrando-a muito bem. Nunca causou polêmica, se mostrando reservado e, acima de tudo, comprometido. É claro que o "público geral" não sabe disso, mas, nesse sentido, é assustador ver atleticanos se comportando de forma tão furiosa contra o goleiro sem desconfiar por momento algum. Tem gente, inclusive, apontando que a referência ao "Maio Amarelo" foi uma "desculpa" do clube. Nunca devem ter tentado mexer no celular de luvas. 


Muitos apontaram também para a falta de timing do clube, que não vive exatamente seu melhor momento. Bem, levando em conta que aconteceu no início da partida, não vejo como algo que pudesse ser "pensado". Afinal de contas, derrota é derrota, independente do momento. Foi um risco que o clube correu e não acredito em falhas nesse sentido. 


No blog: O que Fernando Diniz precisa repensar?


O que está errado, e isso é inquestionável, é a falta de comunicação interna. Uma vez que, aparentemente, a CBF e a arbitragem não sabiam do que ia acontecer, o que poderia ter gerado uma punição bastante irresponsável ao jogador e ao clube. Era necessário ter verificado todas as possíveis ilegalidades antes de mexer com algo sério. Além disso, enxergo como precipitada a escolha de Santos como "cobaia", uma vez que ele parecia bem desconfortável com a situação e se vê, hoje, recebendo pedradas que não merecia.


Mas quer saber? A mensagem foi ótima, e o fato da repercussão ter sido negativa mexe muito com o despreparo das redes sociais e uma geração que está cada vez mais desesperada para criar polêmicas desnecessárias, checando cada vez menos. O fato que comprova isso é que, mesmo com as explicações que o clube deu, a esmagadora maioria dos que viram o vídeo ainda acham que aquilo se trata de algo legítimo.


Excluindo as possíveis consequências injustas que o goleiro Santos e o clube podem vir a sofrer, a campanha mexeu com o público de forma brilhante, com uma ironia sagaz em sua mensagem, e trouxe algum buzz ao Furacão no final de semana. O resto é mau humor generalizado.