The King live in concert at Wembley again

O gênio não pisava em Wembley desde o espetáculo da final contra o Manchester United em 2011. O retorno foi perfeito, ele voltou para brindar o povo inglês com uma atuação inesquecível, com o mesmo espirito daquele jovem com sangue nos olhos de vitória, mas agora trazendo na bagagem a experiência do melhor camisa 10 do planeta.


Para a música tocar de acordo com a história do Barça, Valverde desta vez soube escalar a equipe, confiou em Semedo, que dá mais força na defesa e em um meio campo mais coeso, mais equilibrado e com técnica de sobra com a presença de Arthur ao lado do magistral Busquets e do craque croata, Rakitic. Com esta formação, Messi, Coutinho e até Jordi Alba tiveram mais liberdade para flutuar ao redor de Luís Suárez, foram inúmeras chances criadas contra um Tottenham bastante desfalcado, mas não menos aguerrido.


getty images
getty images

Messi teve mais um dia genial em sua vida


Ainda existem falhas no setor defensivo, a solidez da temporada passada ainda não existe, mas se a banda não toca da maneira ideal, deixa que o “vocalista” chama a responsa para levar o público e nós telespectadores à loucura. Lionel Messi mostrou desde o primeiro minuto de jogo, com uma enfiada de bola fundamental para o primeiro gol sair, que aquela Exibição de gala terminaria em uma nota 10. Além da metida de bola do primeiro gol, Messi também achou  Luisito no meio da área no segundo que terminou no golaço do jogo em um arremate sensacional de Rakitic. Quando o Tottenham diminui o placar botando pressão, Messi já tinha desfilado enlouquecendo a zaga com duas bolas na trave que não entraram por um centímetro, entretanto, quem sempre deu show sabe esperar para presentear os fãs com o gran finale.


Messi começou e terminou a jogada para marcar o terceiro em mais uma parceria com Jordi Alna e matou os Spurs no último minuto depois de receber lindo corta luz de seu irmão uruguaio. 4 a 2 para ficar guardado, um concerto para o mundo ver quem é e sempre foi o dono deste esporte. O argentino pode não ganhar sempre, afina, ninguém ganha sempre, mas o inacreditável é o quanto ele nos brinda com atuações irrepetíveis a cada semana, sempre com algo novo, sempre fazendo o resto parecer crianca.


Como não falar de Messi? Como não se render à Lionel Messi? Aproveite, porque um dia, infelizmente, essa música nunca mais voltará a tocar.