A liderança agora não importa, o que importa é que o Barça voltou a ser Barça

Mais de mil trocas de passes! o Barça voltou a ser Barça, com o novo/velho esquema, dominou quase toda a partida, colocando um grande oponente na roda com sistema de jogo definido e ótima organização.


Apesar do sufoco nos minutos iniciais com o abafa natural do time da casa que resultou em um gol acidental de escanteio e mais alguns ataques perigosos, o Barcelona esperou a poeira baixar e logo conseguiu colocar a bola no chão para envolver totalmente um aguerrido mandante. 


getty images
getty images

Esta formação tem DNA Barça


Repetindo a formação tática do jogo contra o Tottenham, onde Arthur entrou no lugar de Dembélé, Valverde deixou o time com um homem a mais no meio campo, assim, a equipe culé se mostrou mais equilibrada, mais coesa e com menos brechas entre as linhas. A manutenção de Semedo na direita também está favorecendo o sistema defensivo, Sergi Roberto não tem feito falta nessas partidas mais duras fora de casa e o português vem crescendo com mais ritmo e mais confiança. A presença de Vermaelen no lugar de Lenglet também deixou a zaga mais equilibrada, prefiro o belga ao francês. Com estes ajustes, os meio campistas ficam menos sobrecarregados para se aproximar mais entre si e para encostar também com mais facilidade no ataque. Desta maneira, as trocas de passes com o DNA Barça voltaram a produzir o jogo habitual com posse de bola esmagadora e objetiva que nos acostumamos a ver nos últimos dez anos.


getty images
getty images

Messi chuta para marcar mais um golaço de fora da área na carreira


Depois da tormenta incial, o empate não demorou a sair, e pra variar, o alienígena pintou mais uma obra de arte. Linda tabela de Messi com Suárez, o argentino recebeu para chutar de primeira, de fora da área, rasteiro e sem chances para o goleiro. Domínio à parte, o Barcelona não criou tantas chances claras de gol, até porque o valencia não tirou o time todo de dentro da área em nenhum momento, defendiam praticamente com 11. Assim mesmo boas chances foram criadas. Messi segue voando, Coutinho esteve bem, quase fez o gol da vitória depois de uma bela triangulação do trio de frente, Suárez está se encontrando, sempre participando dos gols e Jordi Alba voltou a ser um lateral/ponta cheio de alternativas. Arthur está longe de ser Xavi, mas oferece a posse de bola que o time precisa, está evoluindo a cada partida e é peça chave desta transformação. Busquets e Rakitic estão voltando a jogar o fino da bola e todo este encaixe deve ser visto com otimismo. O empate final acabou colocando a liderança nas mãos do Sevilla, justamente nosso próximo adversário no Camp Nou, portanto, não é hora de alarde, o topo já pode ser recuperado no dia 20.


getty images
getty images

Arthur está encantando a imprensa catalã com sua posse de bola


Para esta partida, em um diferente cenário como mandante, o técnico Valverde terá que decidir se agride o adversário com a volta do Quarteto Fantástico, promovendo o retorno de  Dembélé, ou se segue dando rodagem a esta formação mais sólida com Arthur.


O que você faria se fosse o treinador catalão? Dentro de casa a história é outra.


Vamos deixar esta reflexão para a véspera da partida.


Siga a página Barcelonizando no Facebook