Barça 5 X 1 Real Madrid: o espantoso massacre do melhor futebol do mundo mesmo sem Lionel Messi

Barcelona 1, 2, 3, 4, 5 X 1 Real Madrid.

Quem iria imaginar um placar desses sem a presença de Lionel Messi em campo? Como explicar uma goleada histórica como esta?


getty images
getty images

Que time!


Às vezes, um gol muda completamente a história de uma partida, mas não foi o que vimos na tarde de ontem no Camp Nou, mesmo com o gol de Coutinho logo aos 10 minutos, pois o Barça dominou o rival desde o pontapé inicial. O primeiro tempo foi um show sem desculpas, um atropelo, uma roda de bobinho surpreendente.


Como eu venho afirmando, o time encaixou, portanto não precisaria entrar em desespero sem o melhor jogador do mundo. Assim mesmo, confesso, Rafinha me surpreendeu mais uma vez, Arthur foi peça chave novamente, Rakitic foi mais incisivo passando a chamar mais a armação sem Messi e Busquets liderou o meio de campo com a classe de sempre, colocando os merengues em desespero na roda. O segredo é este meio campo com a posse de bola com o DNA mais Barça do que nunca, escondendo a pelota e soltando com inteligência para romper as linhas e chegar ao ataque sempre equilibrados, sempre com companhia ao lado para tabelar.


Não podemos esquecer também das escapadas letais de jordi Alba, ninguém tem essa arma. Outro mérito é a marcação pressão, sem Iniesta o time ganhou mais juventude, mais intensidade, mais chegada à frente com o menino Couto, enquanto que Suárez recuperou de vez a forma física pós Copa e está infernizando as defesas como de costume. Apesar dos erros de passes em algumas escolhas erradas, o uruguaio (que já vinha dando grandes assistências), foi o grande nome do jogo de ontem. Sem Messi, ele chamou a responsa, se agigantou, chamou as bolas e não titubeou na hora de matar. Como é importante ter um jogador com este peso e esta luta lá na frente, não tem defesa que aguente, que não se enerve, que não perca o controle. Luisito sofreu pênalti, cobrou, fez gol de cabeça e gol de categoria. Um atacante completo, apesar dos flashes de grossura. Um hat trick histórico.


getty images
getty images

Luisito toca com classe para fazer o seu terceiro no super clássico


No início da segunda etapa, o Barcelona dormiu, sentiu o talento do Real Madrid na carne, o 2 a 2 não aconteceu por detalhe, a zaga ainda insiste em fraquejar, esta é a única preocupação desta atual equipe. Porém, curiosamente, o que voltou a colocar o Barcelona nos trilhos dentro da partida foi um desenho parecido com a trágica derrota na Itália diante da Roma, com Semedo entrando na lateral e Sergi Roberto subindo para ocupar o meio campo. O jovem herói da remontada cresceu e deu dois passes para os gols de Suárez. Além disso, Vidal e Dembélé entraram voando, o primeiro marcou o quinto gol, enquanto que o segundo deu a assistência deste último e participou do quarto. Um baile com requintes de crueldade.. Este jogo jamais será esquecido, esta humilhação vai arder por muito tempo no vestiário do rival da capital espanhola.


A força do elenco catalão que eu já critiquei está queimando a minha língua. De repente Arthur virou realidade e apoderou-se do meio campo, de repente Vidal entrou em forma para ser outra bela arma para o segundo tempo. Por consequência, tendo Dembélé no banco, o time culé ganhou uma opção fantástica para mudar qualquer partida. De repente também, o apagado e magoado Rafinha voltou a ser uma super alternativa. O problema maior está na falta de reserva para jordi Alba, este sim, um absurdo sem tamanho.


Do outro lado da moeda, o Real Madrid talvez esteja com um relaxamento natural após três títulos consecutivos de Champions, talvez tenha menosprezado a ausência de Messi, talvez não tenha se adaptado ao novo treinador. Outro fator importante é que Florentino Perez não contratatou um centroavante de peso para substituir Cristiano Ronaldo. O Real não tem um homem de área no time que vem atuando habitualmente, Benzema não é este homem da última bola. Mas o detalhe é a posição e não a peça, porque se puxarmos pela memória, recentemente o Barça ganhou de 3 a 0 e 4 a 0 do Real Madrid no Bernabéu com Cristiano e tudo. Se formos um pouco mais distantes, em 2010 também venceu por 5 a 0 o esquadrão comandado por Mourinho.


getty images




getty images

De joelhos mais uma vez para o Barça


A grande verdade, é que apesar dos títulos europeus, o Real Madrid tem sido freguês absoluto do Barça nesta "Era Messi" e é justamente isso que enlouquece os madridistas, é justamente isso que fez Casillas e Cristiano deixarem o clube pela porta dos fundos. Reflexo desta superioridade são os 7 títulos espanhóis do Barcelona nos últimos 10 anos. E mesmo quando o Real ganhou a Liga espanhola, foi por um ponto de diferença e lá estava o Barça ganhando no Bernabéu, como fez em 2017 na inesquecível vitória por 3 a 2 com gol de Messi no último minuto. Entre duelos tão disputados, o Barcelona é o único que ganha com sobras, com baile. A única exceção foi a conquista do Real na Supercopa da Espanha de 2018, onde o grogue Barcelona havia acabado de contratar Valverde e de perder Neymar.


De 2009 para cá, foram 31 super clássicos, agora com 15 vitórias do Barcelona, 8 empates e 8 vitórias do Real Madrid. Em títulos, o Barça soma 25, contra 15 dos merengues. Na atual temporada, já são 7 pontos de diferença entre os clubes, indicando bons ventos para a Catalunha no campeonato que premia a regularidade e difcilmente o melhor náo vença. Na Champions é diferente, as vezes um mal dia, ou até uma má jogada define quem avança, mas, inquestionavelmente e como de costume, o dono absoluto do melhor e mais bonito futebol do mundo é o do Futbol Club Barcelona, futebol de quem gosta de estar com a bola e de quem consegue dominar de verdade o esporte que escolhemos amar.


getty images
getty images

Luis Suárez: O dono do baile


Isso é futebol, que esta escola dure para sempre.

Siga a página Barcelonizando no Facebook