Super Clássico de desilusões e de protagonismo brasileiro

Definitivamente, para o torcedor do Barcelona, o Super Clássico de ontem foi uma decepção. Para começar pela ausência de Lionel Messi, mais uma vez o melhor do mundo começou o jogo do banco de reservas, fazendo com que o jogo perdesse o brilho e fazendo com que a preocupação com a longevidade da carreira desta lenda aumente. 


Sem Messi para infernizar, o Real Madrid dominou completamente a primeira etapa, onde o grande destaque dos primeiros 45 minutos foi o brazuca Vinícius Júnior. A ex promessa mostrou ser agora uma realidade mundial ao atormentar uma equipe catalã sem alma e cheia de soberba. O gol dos merengues construído pela dupla Vini/Benzema e concluído pelo guerreiro Lucas Vasquez, também foi uma sucessão de erros da defesa culé, as mais graves vindas de Jordi Alba, que perdeu totalmente o tempo de bola pelo alto e de Lenglet, antecipado por Lucas, que empurrou pra dentro sem ser incomodado.


getty images
getty images

Apenas 18 anos e deixando sua marca no super clássico da Espanha


O Real poderia ter matado o jogo na primeira etapa, mas como não o fez, o Barça pode se recompor no intervalo para jogar com mais sangue no olho e empatar na camisa e na retomada do meio de campo. Se o primeiro tempo foi de Vinícius, o segundo não foi de Malcom, foi de Arthur, o melhor em campo (junto com Piqué). O brasileiro tomou conta do jogo com a ajuda de Arturo Vidal e Lionel Messi, que entraram nos lugares dos apagados Rakitic e Coutinho para retomar a ordem daquele determinante setor.


Mesmo com o gol de empate do esforçado Malcom, que oscilou bastante dentro da partida, o desempenho final foi pura desilusão. A defesa continua falhando muito, Coutinho continua entre altos e baixos e a Messidependência esta descarada. Para se classificar para a final, o Barça terá que marcar gols no Bernabéu.


getty images
getty images

Malcom é um exemplo de perseverança


A boa esperança para a reta final da temporada é o retorno de Dembélé para dividir com Messi a atenção das defesas. Se o francês retornar jogando no mesmo nível e o time atuar como atuou contra Atlético de Madrid no Wanda, contra o Tottenham na Inglaterra, no 5 a 1 sobre o Real e nas vitórias de goleada contra o Sevilla no Camp Nou, aí sim será possível sonhar com um Triplete.


Está chegando a hora, contra o Lyon o Barcelona terá que mostrar a sua melhor versão para o mundo.


Clique aqui para seguir Barcelonizando no Facebook


Clique aqui para seguir barcelonizando_oficial no Instagram