Sim, Messi pode ser ainda melhor

O impossível pode estar diante de nossos olhos. Depois de surgir sob a batuta de Ronaldinho, Eto e Deco, depois de ganhar três Ligas dos Campeões, depois de quatro bolas de ouro da Fifa, depois de jogar uma final de Copa do Mundo e depois de tantos recordes, será possível que ainda veremos um Messi ainda melhor?


Eu não esperava, mas parece que sim!


Getty Images
Getty Images

Messi se tornou o maior artilheiro da Liga dos Campeões da Europa com 74 gols.



No post anterior eu já havia dito que, para ressurgir, Messi precisava de um novo combustível, e o tanque ficou cheio depois desses recordes seguidos e do ajuste do tridente de ataque, com Messi vindo de trás e caindo pela direita, enquanto Suárez foi mais centralizado.


E por que isso quer dizer que ele jogará melhor do que já jogou?


Pois bem, eu levanto possibilidade em 5 motivos principais:


1 - Combustível novo: Messi está motivado de novo, com o sangue nos olhos dos velhos tempos.


2 - Tridente arrumado: Luís Henrique encaixou o time com o ajuste do tridente entre Neymar, Messi e Suárez. Esse time lembra o desenho dos melhor dos Barças da Era Guardiola, que tinha Villa centralizado, Messi pela direita e Pedro pela esquerda na linha de frente.


3 - Posição certa: Esta volta ao lado direito, vindo de trás com a bola dominada no meio de campo, é a posição ideal de Messi. Muita gente dizia que ele teria que jogar mais perto do gol, centralizado, mas NÃO! Messi tem que ter a bola, tem que fazer o jogo. Ele é tão completo que entra na área como um passe de mágica, o mestre do toca e aparece.


4 - Maturidade: Messi está mais maduro, enxergando o jogo ainda melhor e, além do mais, sabendo usar seus companheiros. Ele se reinventou, está dando mais assistências do que nunca, abrindo espaços e, nem por isso, deixou de marcar gols.


5 - Companhia nota 10: Desta vez, Messi tem ao seu lado Suárez e Neymar, jogadores muito melhores do que Villa e Pedro. Isso ajudará ainda mais o gênio da camisa 10 a ter mais espaços para deitar e rolar.


Por outro lado, também não podemos esquecer que Sevilla e Apoel, as duas últimas vítimas dos hat tricks com recordes de Lionel Messi, são times de segunda linha. A prova definitiva do surgimento deste 'novo' Messi poderá se confirmar de uma vez por todas no duelo diante do PSG, na última rodada de grupos da Champions, onde o Barça precisará da vitória para se classificar em primeiro no grupo.


No dia 10 de dezembro, diante de David Luiz, Ibra, Thiago Silva e cia limitada, teremos uma bela mostra do que Lionel Messi ainda irá nos oferecer por alguns anos.


Que o Messi dos Messis se concretize, que estes dois jogos seguidos de pura magia e brilhantismo não tenham sido apenas um lampejo daquele moleque cabeludo de 2011.