O trio do Barça não foi o maior destaque contra o PSG

Enfrentar o PSG precisando vencer para não ficar na arriscada segunda colocação do grupo na Champions era praticamente uma final para o Barça, o teste determinante para o time e principalmente para o trio de ataque estelar formado por Messi, Neymar e Suárez provarem seu valor. Pois bem, dito e feito, os caras são foda, um gol de cada, atuações convincentes e o Barcelona entrará nas oitavas-de-final como um dos candidatos ao título.


Porém não foi Messi, nem Neymar e muito menos Suárez os grandes destaques deste jogo, o principal personagem foi o ousado técnico Luís Enrique.


O carajoso treinador do time catalão mostrou que cada jogo é um jogo e que testar, experimentar e adaptar escalações a cada adversário é preciso.


Ontem no Camp Nou, Luís Enrique provou que Mascherano e Busquets podem jogar juntos, que o time pode, sim, atuar com três zagueiros e dois alas, mostrou a todos que o trio de ataque é intocável, que Pedro pode ser ala e que fez bem ao preservar Iniesta para esta decisão.


Getty Images
Getty Images

O Barcelona entrou com uma formação inédita no Camp Nou contra o PSG.


Também tenho que deixar claro que o Barcelona não fez uma partida impecável. O gol de empate de Messi quase um minuto após o gol de Ibra pode ter acobertado alguns problemas de encaixe que foram visíveis nos primeiros 45 minutos. Mas era normal, o time nunca havia jogado daquela forma. Já na segunda etapa, tudo se encaixou e o trio decidiu.


Ficou mais do que claro que Messi e Neymar precisavam de uma companhia de peso para esta temporada para ganharem mais espaços. Com a chegada de Luisito Suárez e com a correção de posicionamento feita por Luís Enrique, com o uruguaio mais centralizado e Messi vindo de trás, sempre um dos três acaba livre, e deixar esses caras com liberdade é mortal. Não tem David Luiz ou Thiago Silva que salve! Vide o gol do menino Ney, que golaço!


Agora é torcer para que venha um adversário fraco no sorteio dos mata-matas nas oitavas-de-final. Enfrentar um Shalke 04 da vida não seria nada mal para o time ganhar mais corpo para as fases adiantes. Mas venha quem vier, a verdade é que o Barça agora vai botar medo em qualquer um.


Visca el Barça!