Olé na crise: show na bola e no gogó

O show não devia ter hora para terminar. O Barça fez ontem no Camp Nou um daqueles jogos para se guardar na memória. Foi a prova definitiva desta nova formação com os três reis magos de frente. Quando esse time jogar tudo o que sabe, vai ser difícil ser derrotado.


O futebol arte venceu o futebol retranca de Simeone. É como ver o bem vencendo o mal. Como é bom ver o puro talento ofensivo colocando a típica raça de defesa no bolso.


A verdade é que a grande mudança que o clube catalão buscava da temporada passada para esta virou realidade. Antes, Messi havia sido centralizado e anulado e Neymar foi espremido na esquerda pela zaga colchonera; agora, com Suárez, os dois ganharam mais espaços, mais liberdade. Messi pela esquerda é sensacional, imparável, e com o trio sempre vai sobrar algum deles com espaço. Azar dos adversários!



Getty Images
Getty Images

Se o tridente jogar sempre o que sabe, vai ser difícil vencer o Barça

Para reafirmar o fim da crise, Messi e Mascherano vieram a público dizer categoricamente que os boatos de brigas com o técnico Luís Enrique não passam de mentira.


Se eles estão falando a verdade eu não sei, espero que seja, mas o certo é que a crise vai ficar adormecida por um tempo, pelo menos até o confronto das quartas de final da Copa do Rey, quando virá pela frente Real ou Atlético, adversários ressuscitadores de fantasmas.


Até lá vamos assistir da arquibancada os rivais de Madrid se matando e que venham baleados para a próxima guerra contra os reis da Catalunha.


Notas do jogo contra o Atlético:


13- Bravo: nota 9: o goleiro chileno foi perfeito com os pés e com as mãos quando acionado, provou novamente em um clássico sua competência para ser o titular absoluto.


22- Dani Alves: nota: 6,5: foi bem nas triangulações com Messi e Rakitic, mas pecou em alguns passes e cruzamentos. Porém, o brasileiro é peça fundamental na engrenagem desse time.


3- Piqué: nota: 9: o zagueirão espanhol voltou a ser gigante, ganhou TODAS as bolas por cima. Se o camisa 3 voltar a jogar como um dos melhores do mundo da posição, o Barça dá um passo imenso rumo aos títulos da temporada.


14- Mascherano: nota 7: eu sou fã desse cara, novamente estava em todos os lances. Masche não pode ficar no banco desse time. Seja na zaga ou de volante ou lado de Busquets, mais precisamente no lugar de Rakitic.


18- Jordi Alba: nota 7: O pequeno foi mais regular, jogou mais simples e foi mais preciso. Errou muito pouco e chegou bem na frente, apesar de ter sofrido um pouco na defesa.


5- Busquets: nota 7: foi discreto mas não menos importante. Cobriu os dois lados da defesa e deu a sustentação de sempre girando a bola no ataque.


4- Rakitic: nota 7: o croata apareceu mais na área, trabalhou bem nas triangulações pela direita com Messi e Dani Alves e cumpriu bem suas obrigações táticas de cobertura. Ainda acho que falta aparecer com mais chutes e mais criatividade na frente, mas foi uma evolução importante.


8- Iniesta: nota 7: o ilusionista também teve uma atuação mais discreta. Claro que ajudou a girar e a segurar a bola quando preciso, mas também acho que faltou mais penetrações na área, mais chutes e mais enfiadas daqueles lances geniais que estamos acostumados.


9- Suárez: nota 9: este uruguaio é um monstro. Em jogos como estes que os craques devem aparecer. E o cara jogou demais, participou dos três gols, lutou e criou e fez o que se espera dele: abrir espaços para Messi e Ney.


10- Messi: nota 9,5: atuação de gala. Só não foi nota dez porque fez o pênalti (mesmo que não tenha sido). Quem disse que Messi não pode jogar pela direita? É por ali que ele é mortal e foi por ali que ele deu show do início ao fim ontem, ninguém tira a bola dele, o gênio é imparável.


11- Neymar: nota 9: esse moleque é show, não foge do pau e mesmo com algumas firulas nunca deixa de ir em direção ao gol. Que jogador! Criou inúmeras ocasiões, provocou os zagueiros, arrancou cartões amarelos, fez gol, perdeu outro...foi decisivo como sempre. Intocável!


Técnico Luís Enrique: nota 8: Escalou o time que tinha que escalar, já que precisava ir ao ataque. Ainda acho que Mascherano no lugar de Rakitic no meio e Mathieu na zaga vai dar mais segurança ao time em jogos em que o Barça for mais atacado. Também gostei que o técnico não tirou Neymar do jogo, seria um pecado, ele tem que ter confiança de fazer sua arte até o apito final. A entrada de Rafinha me surpreendeu, mas o moleque entrou bem também.


O mais importante agora é a equipe tentar jogar neste ritmo todos os jogos, a motivação não pode vir só nos jogos difíceis, senão o Campeonato Espanhol fica em risco justamente nos jogos bobos.


A virada está próxima.


Visca el Barça!