Eu estive lá: Um desfecho melancólico “esperado”

Quem é torcedor sempre carrega aquele fio de esperança no do peito, eu estive na arquibancada do Camp Nou no sábado com a expectativa de ver uma reação explosiva de raça do time do Barcelona, esperando também uma reviravolta do sempre decisivo Messi ou até para poder assistir um gol de título do iluminado Neymar, não seria nenhum absurdo, afinal seriam apenas 90 minutos por um último suspiro da “Era Guardiola”, porém, não houve nenhuma surpresa, o Atlético foi novamente superior, novamente marcou muito bem o Barça e saiu de campo com um título histórico merecidíssimo.


Getty Images
Getty Images

Messi observa a comemoração dos heroicos jogadores do Atlético de Madrid.


Foi triste ver ao fim do jogo os jogadores do Barça aceitarem com uma certa naturalidade a perda do título, apesar da luta incontenstável de todos, parecia que eles já esperavam esse desfecho melancólico.

Mesmo assim valeu muito a pena assistir o jogo ao lado de uma maioria incomum de sócios, pois eles muitas vezes costumam vender ingressos para fazer caixa com turistas, descaracterizando as reações da torcida de verdade. Percebi que estes sócios torcem sim, cantam sim e também sabem encarar uma derrota com civilidade e reconhecimento.


Não vi nenhuma baderna após o jogo, não vi nenhum protesto, não vi ninguém sendo xingado, só vi um emocionante aplauso desta torcida aos adversários de Madrid, que aplaudiram de volta, de arrepiar. Vi também o sistema defensivo mais voluntarioso da minha vida, impressionante o que defenderam e lutaram os comandados de Cholo Simeone.


Agora chegou ao fim a aventura do bom sujeito Tata Martino, um técnico que foi importantíssimo para Neymar e não foi o principal culpado, a péssima fase que vários jogadores atravessaram, as contusões e o elenco reduzido foram as principais causas de um sistema de jogo que acabou sendo naturalmente desvendado.

A culpa do treinador argentino talvez tenha sido em não saber motivar e em não orientar os jogadores a chutar a gol, é inadmissível por exemplo o Messi sair de uma “final” sem ameaçar o goleiro adversário com arremates.


Que venha o Luís Henrique e que venham reforços, de peso!


Notas do jogo:


-Pinto: 6,0 (apesar dos riscos com a bola nos pés fez boas defesas e se despediu sem responsabilidade nas eliminações).


-Dani Alves: 4,0 (Muita vontade novamente, mas errou dezenas de passes e cruzamentos, impressionante, um dos que mais irritou a torcida).


-Piqué: 7,0 (Voltou muito bem)


-Mascherano: 7,0 (Fez milagres com seus carrinhos, salvou o Barça da derrota)


-Busquets: 5,5 (discreto, saiu machucado)


-Fabregas: 4,0 (nulo em campo, uma pena esse craque ter caído tanto nesta temporada).

-Iniesta: 5,0 (surpreendentemente pouco apareceu).


-Messi: 5,5 (desta vez pelo menos tentou mais, procurou o jogo e buscou bolas fora da área, faltou buscar os chutes).


-Sanches: 6,5 (fez um golaço, o que já foi mais do que eu esperava).


-Pedro: 5,0 (pouco apareceu, faltou tentar chutes e jogadas individuais).


-Neymar: 6,5 (entrou chamando o jogo, driblando e tabelando sem se esconder, faltou mais tempo em campo, mas gostei).


Xavi e Song: sem nota.

Bruno Plapler.