Coutinho, Mina e novidades táticas: as chaves das próximas semanas do Barcelona

O empate do Barcelona contra o Getafe foi frustrante, ainda que as dificuldades encontradas não foram surpresa, dado que no jogo do primeiro turno, na casa do adversário, a vitória tinha sido apertada. Um primeiro tempo pobre do setor criativo e a grande atuação defensiva dos visitantes na segunda etapa foram cruciais para o placar não sair do zero.


Jogando como titular e pelo lado esquerdo, em sua posição ideal, Coutinho fez um primeiro tempo muito apagado e foi substituído em seu melhor momento na partida, no início do segundo tempo, em uma decisão de Valverde que é possível ser questionada.


De qualquer maneira, fica claro que não será de um dia para o outro que o brasileiro irá se encaixar na equipe. As dificuldades iniciais, contudo, não apagam seus recursos que foram utilizados como argumento para defender sua contratação.


Coutinho não rende da mesma forma pela direita, e não é um clone de Iniesta, esses são dois fatos. Entretanto, sua versatilidade, tanto mencionada como motivo para contratá-lo, é motivo suficiente para que Valverde o considere uma opção pelo lado direito, e sua qualidade técnica e visão de jogo o tornam mais do que capaz de cumprir a função de Iniesta.


Falta tempo para que ele e o treinador dialoguem no mesmo idioma e consigam entender onde o brasileiro se encaixa em um time que vinha muito bem organizado. A melhora de Coutinho no segundo tempo se deve a um posicionamento melhor, um entendimento de sua função no campo que não havia durante a primeira etapa.


Só com o tempo, treinando e jogando, ele conseguirá entender melhor os movimentos do Barcelona que já estão assimilados por quase todos os jogadores que estão na equipe desde o início da temporada. Movimentos que já são automáticos para seus companheiros ainda são novidade para Coutinho, e entender o que acontece à sua volta é um dos passos importantes para que o brasileiro, junto com Valverde, encontre a melhor forma de se posicionar em campo.


Getty Images
Getty Images

Coutinho levou perigo em duas finalizações de fora da área


Outro que precisará de tempo para encontrar seu lugar no time é Yerry Mina, que fez sua estreia como titular em um jogo onde ele era o único zagueiro “inteiro” disponível - Piqué até estava no banco, mas não treinou depois do jogo contra o Valencia, na Copa do Rei, e ainda está com problemas no joelho direito. Digne foi improvisado no lado esquerdo da zaga, adicionando um desafio a mais para a estreia de Mina, que precisou lidar com um parceiro que não está acostumado à função.


O colombiano se saiu muito bem, foi importante em alguns lances em que o Getafe criou perigo, e ainda quase fez um gol de cabeça que poderia ter dado a vitória ao Barça. Em alguns momentos, seu posicionamento na zaga não era o ideal - fruto da falta de entrosamento e também de não ter um zagueiro de origem ao seu lado. Em suas idas ao ataque em lances de bola parada, Mina demorou tempo demais para voltar, mesmo se comparado com Piqué, que gosta de se aventurar como atacante.


No geral, foi uma boa estreia, sólida o suficiente para mostrar que Valverde pode dar a ele mais oportunidades de entrar em campo e aproveitar para descansar os defensores titulares. Vermaelen deve voltar de lesão até o próximo final de semana, o que garante ao técnico um zagueiro destro e outro canhoto para revezarem com os titulares, tentando evitar situações de risco, como aconteceu recentemente com as lesões de Piqué e Umtiti.


Getty Images
Getty Images

Mina foi bem em sua estreia como titular e quase fez o gol da vitória


Pela primeira vez desde que o ano começou, o Barça não jogará no meio de semana, já que sua partida pela Liga dos Campeões, contra o Chelsea, será apenas no dia 20. Isso dará uma semana livre para Valverde dar descanso aos seus jogadores e fazer treinos táticos mais aprofundados, algo que se torna raridade nessas semanas com jogos a cada três dias.


O tempo pra treinar vem em boa hora, após dois empates no Campeonato Espanhol que fizeram a vantagem para o segundo colocado cair para 7 pontos. Como um dos times a ser batido na Europa, é evidente que os olhos estão voltados ao Barcelona e que os times comecem a aprender táticas para enfrentar o líder espanhol. Novos recursos táticos são necessários para tornar a equipe imprevisível novamente.


Na última vez que o treinador teve uma pausa como essa, em dezembro, comentei no blog que a torcida cobraria por uma melhora após a semana livre para treinar. Os jogos seguintes mostraram a melhor versão do Barça até aqui, no início desta maratona de jogos que começou em janeiro e terminou contra o Getafe.


Agora, mais uma pausa para respirar, e novamente Valverde será cobrado para que a equipe volte a apresentar seu melhor futebol e corrija os erros dos últimos jogos, para manter a vantagem no campeonato e tentar buscar um bom resultado contra o Chelsea, no jogo de ida das oitavas de final da Champions. Daqui até o final da temporada, semanas como essa devem ser raridade, portanto, aproveitá-la bem pode ser crucial para a sequência de todas as competições.