Iniesta nos mostrou seu único defeito: não ser eterno

Em um mundo onde estatísticas ganham cada vez mais importância no futebol, Don Andrés Iniesta nunca foi o rei delas. Sua qualidade não pode ser medida por números, sua importância no campo sempre transcendeu o número de assistências ou os gols marcados. 


Iniesta está no Barcelona desde antes de eu sonhar que um dia seria torcedor do clube. E em todos os momentos em que o vi em campo, tive certeza que a palavra que mais se encaixa no futebol do camisa 8 é elegância. Algo que só pode ser dito de alguém que demonstra carinho a cada toque na bola, seja para desarmar ou para deixar alguém na cara do gol, como se soubesse que aquela que está aos seus pés é sua melhor amiga e sempre será. 


Em 22 anos jogando pelo Barcelona, Don Andrés nunca pisou no gramado - ele flutuou. Graciosamente, fazendo cada momento ser um espetáculo, transformando um esporte de contato em uma dança em que todos no campo são convidados a participar, mas ninguém sabe a coreografia como o capitão da camisa 8.


Do momento em que se separou da família aos 12 anos para chegar a La Masia e lutar pelos seus sonhos, até os troféus erguidos em sua última temporada, Iniesta foi sempre um exemplo. Dentro de campo, fez jus ao título de Don. Fora dele, mostrou que mesmo em um meio dominado por glamour, fama, poder e dinheiro, é possível fazer e estender seu sucesso mantendo valores íntegros e honrando aqueles que estiveram ao seu lado desde o início. 


A parceria com Xavi, formando com Busquets um dos melhores meios de campo da história, os grandes momentos com Messi, os exemplos para os garotos de La Masia, são pedaços da história que nunca serão esquecidos.


Guardiola, em uma célebre frase, disse para Xavi: “você irá me aposentar, mas esse garoto vai aposentar a nós dois.” O garoto, que hoje anunciou que deixa o Barcelona, aposentou a ideia que tínhamos de um grande meio-campista. Criou um novo padrão, um patamar que poucos jogadores conseguirão alcançar. O garoto de 12 anos deixa o Barcelona como um dos jogadores mais vitoriosos da história, e o melhor jogador espanhol de todos os tempos. 


Don Andrés Iniesta sempre pareceu perfeito, mas hoje, ao anunciar que se despede do clube ao fim da temporada, o capitão mostrou seu único defeito: não ser eterno. Felizardos somos nós, que por anos vimos o auge de um dos jogadores que marcaram uma época gloriosa do Barcelona, da Espanha e do futebol espanhol.


Iniesta deixa um enorme legado para o clube, seus jogadores e torcedores. Uma história de tantas glórias, lutas e vitórias que só poderia ter sido protagonizada pelo herói de uma geração. 


Getty Images
Getty Images

Mesmo distante, Iniesta sempre será parte do Barcelona