Benfica: Gabigol tem que se espelhar em Krovinovic

Getty Images
Getty Images

O meia croata Filip Krovinovic conquistou a titularidade no Benfica e tem de ser um exemplo a ser seguido pelo atacante brasileiro Gabriel Barbosa


Antes de iniciar o raciocínio, devo dizer que este texto não tem o objetivo de estabelecer comparações, até porque não faz sentido comparar jogadores de posições e características diferentes. O intuito é confrontar as situações de dois atletas que chegaram ao Sport Lisboa e Benfica em contextos semelhantes e estão trilhando caminhos diferentes.


Contratado junto ao Rio Ave e revelado pelo NK Zagreb, o meio-campista croata Filip Krovinovic desembarcou em Portugal com 21 anos e hoje tem 22. Adquirido por empréstimo de uma temporada junto à Internazionale e revelado pelo Santos, o atacante brasileiro Gabriel Barbosa chegou à Terrinha com 20 anos e hoje tem 21. Ambos pisaram no Estádio da Luz tendo a noção de que não seriam titulares absolutos imediatamente, pois chegaram para setores amplamente concorridos. Portanto, eram necessários muito foco, muita concentração e muito trabalho nos treinos para que a tão desejada oportunidade aparecesse. É praxe dizer que a chance não cairia do céu.


Como diz o ditado, a hora não chega igualmente para todos.


Pizzi, Franco Cervi, "Toto" Salvio, Andrija Zivkovic, Diogo Gonçalves e Rafa Silva. Era este o cenário que aguardava Krovinovic. Quanta gente na fila, hein? E o leque de opções para o técnico Rui Vitória só não era maior porque André Carrillo foi emprestado ao Watford. Nenhum desses jogadores é novato no maior clube de Portugal, fato que tornava o desafio do croata ainda maior.


Getty Images
Getty Images

Krovinovic hoje é peça importante do meio-campo benfiquista


Mas Krovinovic, que no início da temporada fez cirurgia para hérnia de disco e acabou ficando fora da lista de inscritos para a Uefa Champions League, hoje é titular. Estreou de águia ao peito no empate em 1 a 1 com o Sporting Braga, no Estádio da Luz, pela Taça da Liga de Portugal, e deixou boa impressão. Seu primeiro jogo como titular na Primeira Liga de Portugal foi a vitória de 3 a 1 frente ao Vitória de Guimarães, no Dom Afonso Henriques, onde também recebeu elogios. Antes, tinha entrado em campo no decorrer dos triunfos contra Paços de Ferreira (2 a 0), Desportivo das Aves (3 a 1) e Feirense (1 a 0) e do empate com o Marítimo (1 a 1).


Aos poucos, o garoto foi aumentando o seu protagonismo. E hoje virou parte fundamental de um 4-3-3 onde atua aberto na esquerda, com visão, passe e habilidade importantes para dar maior profundidade de jogo ao time comandado por Rui Vitória. As peças desse esquema tático, vale salientar, vêm se alterando no andamento da temporada. Nos últimos jogos, por exemplo, Cervi tomou a vaga que antes era de Gonçalves.


Contudo, Krovinovic segue lá, firme e forte. "Dono" do meio-campo do Rio Ave na temporada passada, o jovem de 22 anos está caindo nas graças da torcida do Benfica.


Getty Images
Getty Images

'Gabigol' tem um gol de águia ao peito


Já no ataque, a única unanimidade no momento é Jonas. Também pudera: o brasileiro é o artilheiro da liga portuguesa, com 16 gols, e está batendo recorde atrás de recorde nas Águias. Seferovic, companheiro do camisa 10 no início da temporada, vive má fase até mesmo na seleção da Suíça. Raúl Jiménez, o jogador mais caro da história do Benfica, alterna entre a titularidade e a reserva: jogou regularmente na Champions League, mas comumente não atua os 90 minutos nas competições nacionais.


Pode ser o momento para Gabriel Barbosa despontar, embora a caminhada venha sendo árdua para o brasileiro, que no Santos ficou conhecido como "Gabigol". Ele acumula, até agora, apenas 148 minutos jogados pelos Encarnados e um gol marcado (não foi qualquer gol), contra o Olhanense, na Taça de Portugal.


Gabriel ficou na berlinda no final de novembro por ter, segundo informações veiculadas pelo jornal Correio da Manhã e pelo portal UOL Esporte, curtido balada na região do Cais do Sodré, na capital portuguesa. Na época, o jogador não fora relacionado para a partida contra o Vitória de Setúbal, pelo campeonato nacional, e compareceu, juntamente com o goleiro e compatriota Júlio César, a uma festa de aniversário de um amigo em comum.


No âmbito profissional, o atacante pode tomar Krovinovic como exemplo de disciplina e persistência para continuar lutando por espaço entre os 11. Sabe-se que, na época de sua chegada, no Deadline Day, o Benfica já tinha nomes mais tarimbados na sua posição. Era natural que seu ponto de origem fosse o banco de reservas. Pensando na carreira e, principalmente, no que passou na Inter (as mesmas faltas de oportunidades), Gabriel Barbosa não pode desistir tão depressa, mesmo que especulações o coloquem fora do Benfica já em janeiro. O jovem tem que continuar disposto a escrever uma nova história.


Getty Images
Getty Images

Gabriel Barbosa é reserva no Benfica


Três dos últimos quatro jogos do Maior de Portugal neste ano de 2017 valem por copas nacionais: um pela Taça de Portugal, contra o Rio Ave, e dois pela Taça da Liga de Portugal, contra Portimonense e Vitória de Setúbal. Esses compromissos podem representar, para Gabriel, a oportunidade de mostrar suas virtudes e conquistar a confiança do técnico Rui Vitória, assim como fez Krovinovic.


Com a palavra, o treinador


Em entrevista à emissora brasileira Esporte Interativo no início de novembro, o treinador do Benfica atribuiu os poucos minutos de Gabriel Barbosa em campo à grande concorrência. "O Gabriel tem trabalhado bem, tal como os seus companheiros. Está inserido num grupo de cerca de 30 jogadores e, nas posições em que ele pode jogar, estão jogadores de grande qualidade. Se perguntarmos à maioria das pessoas para fazerem um onze, vão deixar jogadores de qualidade de fora. Se pedirmos para elaborarem uma ficha de jogo, com 18 atletas, vai acontecer o mesmo. Passa um pouco por isso", justificou.


Rui definiu Gabriel como um profissional bastante dedicado. "É um jogador com um relacionamento, postura no treino e processo de integração que me têm agradado. Às vezes, é uma questão de oportunidade, de um ou outro pormenor que possa ser vantajoso para ele e possamos utilizá-lo. Do ponto de vista comportamental e da postura, nada a dizer. Antes pelo contrário", assegurou.


"Temos de perceber que a vida não é feita somente de aspectos agradáveis. Às vezes a capacidade de um jogador é mesmo essa capacidade de superação em momentos mais desagradáveis, principalmente estes em que ele não joga. Não é fácil para ninguém estar de fora. Mas, quando o jogador mostra capacidade para ultrapassar estes pequenos momentos e estes contratempos, normalmente fazem um trabalho muito melhor quando regressam e, assim, voltam preparados", completou.