A torcida que mais comemorou no sábado de Carnaval foi a do Benfica

Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Enquanto os jogadores do Benfica agradecem à massa encarnada pelo apoio na vitória contra o Portimonense, o telão do Estádio Municipal de Portimão dá aos torcedores a notícia do título europeu de Portugal no futsal


O Brasil tem o Carnaval mais badalado do planeta, seja no Recife, Olinda, Salvador, Manaus, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Vitória... Por aqui, os festejos momescos acontecem antes da data oficial, durante esta data e até mesmo depois dela. Há quem diga que "o ano só começa depois do Carnaval"... Bem, o fato é que o início do ano sempre é associado à folia. O calendário, inclusive, aponta a terça-feira carnavalesca como feriado nacional em território brasileiro. Já em Portugal, esse dia é feriado facultativo. Entre os lugares mais populares da Terrinha para esta manifestação cultural estão a Ilha da Madeira e as cidades de Ovar, Torres Vedras, Sines, Sesimbra, Loures, Estarreja, Loulé, Podence, Elvas e Nazaré.


Neste ano de 2018, foi acrescentando um novo significado ao Carnaval de Portugal, sobretudo ao desporto português e à torcida do Sport Lisboa e Benfica, clube mais vitorioso do país. No "Sábado de Zé Pereira", o Glorioso saiu do difícil campo de Portimão com os três pontos e, simultaneamente, Portugal se sagrou campeão europeu de futsal pela primeira vez. Felicidade em todo o território lusitano, alegria em dose dupla para a massa encarnada.


Que fique marcado no calendário: 10 de fevereiro de 2018 foi o dia da consagração máxima para o português Bruno Coelho e foi uma grande noite para o argentino Franco Cervi. Jogador do Benfica, Coelho anotou dois gols na decisão contra a arquirrival Espanha, sendo um deles o que sacramentou a conquista inédita da Uefa Euro Futsal. Por sua vez, Cervi balançou as redes, também duas vezes, na vitória suada das Águias no Estádio Municipal de Portimão, que manteve o atual tetracampeão nacional vivo na disputa pelo Penta.


Na Arena Stozice, em Ljubljana, capital da Eslovênia, os portugueses tratavam a final como uma revanche de 2007, quando foram eliminados pelos espanhóis na semifinal, na condição de anfitriões, e de 2010, quando perderam o título em Debrecen, na Hungria. A vingança, enfim, veio. Os lusos venceram por 3 a 2, na prorrogação!


Ricardinho, que também já esteve de águia ao peito e hoje atua no Inter Movistar, da própria Espanha, colocou a Seleção das Quinas em vantagem. Tolrà e Lin viraram para La Fúria, sete vezes campeã europeia - e vencedora da passada edição, diga-se. Quando tudo parecia perdido, lá estava Bruno Coelho, multicampeão pelo Maior de Portugal, para levar a eliminatória à prorrogação. Nos últimos instantes do tempo extra, pênalti para a equipe nacional portuguesa. Bruno chamou a responsabilidade e não sentiu a pressão. Portugal campeão! E contra a sua maior adversária! Aqui você pode ver a festa na chegada dos campeões europeus à Terrinha.


Divulgação/Federação Portuguesa de Futebol
Divulgação/SL Benfica

Portugal superou a rival Espanha na Eslovênia, na prorrogação, e conquistou a Eurocopa de Futsal pela primeira vez


Enquanto isso, em Portimão, na região sul da Terrinha, os Encarnados passaram por uma prova de fogo. Destaque, de imediato, para o meia Rafa Silva, titular depois de preencher com maestria a lacuna deixada por Salvio na goleada frente ao Rio Ave, no Estádio da Luz. Aquela partida também foi muito especial para o garoto João Pedro, o pequeno grande herói dos recentes incêndios florestais os quais desmantelaram o país.


Rafa não demorou a justificar a escolha do técnico Rui Vitória. Quando o relógio apontava seis minutos de jogo, o português mostrou o caminho para o primeiro gol. Sérvia, Portugal, Brasil e Argentina: parece um trajeto de mapa-múndi, mas foi a jogada do 1 a 0. Dela participaram Zivkovic, Rafa Silva, Jonas e Cervi, este com a finalização certeira.


Se o início da etapa inicial foi magistral para o Glorioso, o mesmo não se pode dizer dos primeiros minutos do segundo tempo. Aos 19 minutos, o artilheiro Jonas saiu de campo lesionado. Chegava ao fim uma incrível sequência de 10 partidas com gols do brasileiro, soberano na Liga de Portugal com 25 bolas na rede. No minuto seguinte, veio o empate do Portimonense, através de Felipe Macedo. Um verdadeiro inferno astral para os lisboetas.


Mas o Benfica tinha Franco Cervi. O camisa 22 estava com a pontaria calibrada. Aos 33 minutos da segunda parte, 78 na contagem europeia, ele cobrou falta com maestria, anotou um lindo gol e recolocou o tetracampeão na frente. Pense num alívio... Tanto para a torcida, até então aflita com a possibilidade de mais um tropeço, quanto para o jogador, que, 12 dias depois de desperdiçar um "gol feito" no empate amargo com o Belenenses no Restelo, tornou-se decisivo para um maiúsculo triunfo.


Isabel Cutileiro/SL Benfica
Isabel Cutileiro/SL Benfica

Zivkovic e Cervi encontraram o caminho da vitória em Portimão


O mesmo Portimonense que vinha de goleadas sobre Rio Ave e Marítimo não tinha mais poder de reação. E voltou a sucumbir. Dessa vez, diante da habilidade de Zivkovic. Boa visão de jogo, bom toque de bola... E boa conclusão também. Aos 50 minutos, o sérvio de 21 anos deu números finais à peleja. É outro a aproveitar sabiamente a recente oportunidade conquistada entre os titulares, sucedendo a lesão de Krovinovic contra o Chaves e o rendimento abaixo do esperado de João Carvalho no dérbi com o Belém. Parece ter deixado para trás a triste expulsão no clássico com o Porto, no Estádio do Dragão, no primeiro turno.


Nos quesitos empurrar o time rumo à vitória, suportar a pressão de um ambiente hostil, reagir ao bom momento dos oponentes e fazer a festa, nota 10 para os benfiquistas!


Com mais três pontos no sul do país, o Sport Lisboa e Benfica segue firme na caça à 37ª taça e no sonho do pentacampeonato. O próximo compromisso será no sábado a seguir (17), com o Boavista, até agora o único time a derrotar o SLB no campeonato. Vem outra pedreira por aí.