A verdade dói, mas precisa ser dita: o Benfica não merecia ser Penta

Getty Images
Getty Images

Tá difícil, Rui Vitória... Tá difícil...


Um dos ditados mais certos é aquele que diz que as pessoas colhem o que plantam. Devido ao mau planejamento da alta cúpula para a temporada e às decisões erradas do técnico em momentos decisivos, o Sport Lisboa e Benfica ficará de mãos abanando em 2017/2018. Já havia sido eliminado precocemente na Uefa Champions League, na Taça de Portugal e na Taça da Liga de Portugal. Agora, depois do revés de 3 a 2 para o Tondela em pleno Estádio da Luz, neste sábado (28), a distância do atual tetracampeão e maior campeão nacional para o topo da tabela aumentou de dois para cinco pontos e, a duas jornadas do ponto final, as chances de título no Campeonato Português são praticamente nulas.


No final das contas, o pior de tudo é a sensação de que o clube não se doou ao máximo para conquistar o Penta. O time não é limitado. Está longe de sê-lo. O fracasso aconteceu porque toda a estrutura por trás da equipe (diretoria e treinador, sendo mais específico) está mal. Muito mal. A preparação para a temporada foi péssima, com reposições longe de estarem à altura das perdas das últimas janelas - algumas dessas saídas são difíceis de compreender. E o comandante das quatro linhas se mostrou muito perdido tanto no início quanto no final da temporada. Quem acompanha o Blog Glorioso Encarnado sabe que estas reclamações não são novidade alguma.


Lá na metade do caminho, o escrete parecia ter encontrado o ponto de equilíbrio, e a confiança num final feliz para uma época inicialmente turbulenta era real. Contudo, o elenco começou a sofrer com lesões. Primeiro vieram as de Krovinovic e Salvio, rapidamente repostas com Rafa Silva e Zivkovic - nesse sentido, ponto positivo para Rui Vitória. Mais tarde veio o desfalque mais impactante, provocado pela contusão de Jonas, o super-artilheiro do Campeonato. Raúl Jiménez, o amuleto dos últimos títulos, estava preenchendo bem a lacuna, diga-se.


Divulgação/CD Tondela
Divulgação/CD Tondela

O Tondela não tomou conhecimento do Benfica e enterrou as chances de título dos Encarnados. Agora só falta a última pá de cal...


E aí veio a interferência negativa do treinador... Como se pode acionar repetidamente um jogador improdutivo para atuar fora da sua posição habitual, que vem sendo o caso de Seferovic? Como se pode retrancar o time num Clássico em casa e até mesmo num duelo com o lanterna? Como se pode apelar para as mesmas substituições em todos os jogos? Quando não podia dar margem aos adversários, o SLB se tornou previsível. Uma arma a mais para os oponentes.


Os erros não param por aí. Contra o Tondela, Rui Vitória decidiu poupar o zagueiro Jardel e o volante Fejsa, pendurados, para o compromisso frente ao arquirrival Sporting. Vieram para as respectivas vagas o ídolo Luisão, muito longe de estar em ritmo de jogo, e Samaris, que, com todo o respeito, não tem o mesmo nível do dono da cabeça de área benfiquista. Pode parecer oportunismo falar disso agora, com a derrota nas costas, mas foram decisões de alto risco do técnico... E ele tem de arcar com as consequências delas: durante os 90 minutos, um time abaixo do que poderia render; após os 90 minutos, um clima de terra arrasada para um Dérbi o qual vai decidir se o SLB jogará a Uefa Champions League ou a Uefa Europa League em 2018/2019. Né brinquedo não...


Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Manchete do jornal esportivo português 'A Bola' sobre a derrota do Benfica para o Tondela em pleno Estádio da Luz


Tudo parecia tranquilo quando Pizzi abriu o placar. O goleiro visitante Cláudio Ramos, inclusive, evitou um placar mais dilatado com três defesas providenciais. Foi aí que André Almeida se lesionou. Lá vai mais um para o Departamento Médico... E apareceu Douglas, uma das contratações mais inexplicáveis dos últimos tempos. O Tondela foi para cima e não demorou a passar na frente, com dois gols de Miguel Cardoso. Na segunda etapa, o terceiro tento, assinado por Tomané, confirmou a primeira vitória tondelense contra o Maior de Portugal em toda a História (logo na Catedral...) e a permanência na primeira divisão por mais um ano. Salvio ainda descontou, porém já era tarde demais...


Agora, os tondelenses vão para a quarta temporada seguida no primeiro escalão. Um feito fantástico para quem até pouco tempo atrás via a presença entre os grandes clubes da Terrinha como um sonho distante. Ao Benfica, por sua vez, restou a necessidade de vergonha na cara pelo 2017/2018 deprimente. Quando um time faz tudo o que pode e não alcança os objetivos porque os concorrentes são melhores, é mais fácil digerir a derrota. Entretanto, não foi o caso desta temporada. As Águias não fizeram tudo para continuar a alçar grandes voos, tropeçaram nos próprios erros e vão ter que encarar uma dura realidade: não mereciam o título e não vão tê-lo.