Eusébio: o único artilheiro da Europa e do Mundo no mesmo ano

Getty Images
Getty Images

Inigualável: desde 1966, Eusébio é o único artilheiro simultâneo da Copa dos Campeões Europeus/Liga dos Campeões da Europa e da Copa do Mundo em toda a História


Maior artilheiro da seleção de Portugal, Cristiano Ronaldo chegou ao Mundial na Rússia sedento pelo título inédito e por mais recordes. Dono de várias marcas em sua vitoriosa carreira, o camisa 7 do Real Madrid e da Equipa das Quinas poderia igualar um feito pertencente ao compatriota Eusébio: as artilharias da Uefa Champions League e da Copa do Mundo no mesmo ano.


Na temporada 1965/1966, ocasião em que o principal torneio interclubes da Europa se chamava Copa dos Campeões Europeus e o Benfica sucumbiu frente ao Manchester United nas quartas de final, o Pantera Negra dividiu a artilharia com o atacante húngaro Flórián Albert, do Ferencváros. Ambos anotaram sete gols. O português marcou quatro vezes contra o Stade Dudelange, de Luxemburgo, e três vezes contra o Levski Sófia, da Búlgaria.


Mais tarde, na Inglaterra, o Rei foi a principal referência técnica da equipe nacional na melhor campanha do seu país em Mundiais, a terceira colocação. De quebra, consagrou-se como o artilheiro do certame, com nove gols. O primeiro se concretizou na tranquila vitória de 3 a 0 diante da Bulgária, na segunda rodada. Depois vieram dois no surpreendente triunfo de 3 a 1 contra o Brasil, resultado o qual mandou o time de Pelé, Garrincha e companhia, atual bicampeão do planeta, de volta para casa em plena primeira fase.


Nas quartas de final, Eusébio protagonizou uma das melhores atuações individuais da história das Copas ao anotar quatro gols (!) após a Coreia do Norte largar na frente com uma monstruosa vantagem de 3 a 0. A contagem final de 5 a 3 - José Augusto, também benfiquista, fechou a conta e passou a régua - levou os lusos à fase semifinal, onde acabaram eliminados pela seleção anfitriã. O atacante fez o gol de honra na derrota de 2 a 1 para os ingleses. Seu último registro aconteceu na vitória de 2 a 1 sobre a União Soviética, na decisão do terceiro lugar.


Getty Images
Getty Images

Cristiano Ronaldo tinha potencial para igualar feito de Eusébio, mas Portugal ficou pelo meio do caminho na Copa do Mundo 2018


Retornando ao ano corrente, o cenário parecia favorável a CR7 devido ao seu rendimento avassalador no clássico contra a Espanha, em Sochi, na estreia, quando fez os gols dos Rubro-Verdes no histórico empate de 3 a 3. Àquela altura, igualou as marcas do brasileiro Pelé, do polonês naturalizado alemão Miroslav Klose e do alemão Uwe Seeler: eles balançaram as redes em quatro edições de Copa do Mundo. Com Marrocos e Irã pela frente, acreditava-se que o Robozão continuaria com o faro de gol apurado. A possibilidade de alcançar o feito de Eusébio parecia ser cada vez mais real.


Contudo, ele anotou apenas um gol contra Marrocos, na vitória pela margem mínima, e desperdiçou uma penalidade máxima no empate em 1 a 1 com o Irã - Quaresma foi o autor do gol ibérico naquele jogo. Por fim, ficou em branco no revés de 2 a 1 para o Uruguai nas oitavas de final, que culminou na eliminação precoce dos portugueses - o gol de honra veio da cabeça de Pepe.


Artilheiro da Champions League 2017/2018 com 15 gols, Ronaldo acabou não tendo a mesma felicidade na Copa do Mundo. Com quatro bolas na rede no total, não pode mais alcançar o atacante inglês Harry Kane, que já tem seis. Portanto, Eusébio continua a ser o único jogador da História a conquistar a artilharia da Liga dos Campeões e da Copa do Mundo no mesmo ano; e o recorde, atualmente de 52 anos, vai perdurar por, pelo menos, mais quatro anos.


Evidentemente, este texto não visa comparar as dimensões de Eusébio e Cristiano Ronaldo para a seleção de Portugal. Diminuir um deles seria extremamente injusto. Cada um é emblemático para a sua época. No século passado, no já mencionado Mundial de 1966, o Pantera Negra ajudou a colocar a Terrinha no mapa do futebol juntamente com nomes como o capitão Mário Coluna, o ícone Jorge Augusto e o técnico brasileiro Otto Glória. Neste século, o Robozão vem participando da consolidação da Seleção das Quinas como uma das grandes forças do futebol, com as presenças constantes em Copas do Mundo e Eurocopas e com o título europeu de 2016, tendo o privilégio de jogar ao lado de nomes como Luís Figo, Pauleta, Pepe, Rui Patrício, João Moutinho, Deco, Ricardo Quaresma, entre outros. Reverenciar ambos é obrigação moral dos fãs do esporte mais popular do planeta.