Muito obrigado!

Getty Images
Getty Images

'Dizem que somos loucos da cabeça. Amamos o Benfica com certeza!'


Em novembro de 2013, numa peregrinação que começou pela Europa e terminou pela Terra Santa, a primeira parada foi a Terrinha. Aquela viagem de duas semanas pelo outro lado do Oceano Atlântico me proporcionou uma profunda renovação espiritual e me reservou um grande marco no universo do futebol. Em Portugal, vi de perto um fenômeno chamado Sport Lisboa e Benfica. Nem precisei ir ao Estádio da Luz - tenho que realizar este sonho, pois sim - para experimentar tamanha sensaçao. Em todos os cantos aonde eu ia, via alguém vestindo uma camisa encarnada, de águia ao peito. Era todo tipo de gente: crianças, jovens, adultos, idosos, negros, brancos... Era o Clube do Povo.


Encontrei a delegação do Sporting CP no Aeroporto de Lisboa aguardando um voo para a Romênia, onde enfrentaria o Vaslui pela Liga Europa. Passei pelo Estádio do Dragão, a casa do FC Porto, quando fui à Cidade do Porto. Era o universo conspirando contra mim naquele momento? Talvez. Mas quem me conquistou foi o SL Benfica. Já estava escrito no destino. O vermelho da chama imensa, a grandeza do clube que um nobre esforço imortaliza e que uma aura triunfante glorifica, a infinidade de ídolos e de glórias, as amizades conquistadas em terras lusitanas, o ideal sincero e puro... Não teve jeito: a atmosfera me contagiou. Sabem aquela frase-clichê "Não fui eu quem escolheu o time X, foi o time X quem me escolheu?". Pronto, é por aí... Se ser benfiquista é errado, eu não quero estar certo! "Dizem que somos loucos da cabeça. Amamos o Benfica com certeza".


Numa manhã de novembro de 2015, na França, em peregrinação aos santuários marianos, um francês se deparou com o meu cachecol do Glorioso, um lindo presente das queridíssimas Cláudia e Dona Salete, e me cumprimentou: "Oui! Bom dia, Benfica!". Não importa o lugar: o Benfica é facilmente notado, é uma manifestação cultural, é a identidade de milhões de pessoas de quaisquer nacionalidades, é o time da Catedral, é uma marca a ser preservada para sempre.


Veio a difícil temporada do tri-vice. Logo em seguida, o renascimento triunfal dos Encarnados com a Tríplice Coroa - só não foi Quádrupla Coroa porque Félix Brych nos assaltou na final da Liga Europa, em Turim. Depois, uma nova sequência de títulos nacionais. Era o futebol dando lições para o dia-a-dia: as quedas precedem as conquistas.


Em março de 2017, com as indicações dos estimados Caíque Toledo e Bruno Secco e com o carimbo do maestro Fabio Chiorino, fui convidado a representar o maior clube de Portugal no ESPN FC Brasil, importante e heterogêneo espaço da Internet brasileira que dá voz a torcedores. Daí nasceu o Blog Glorioso Encarnado. Pensa na responsabilidade...!


Aliando a racionalidade exigida pela profissão de jornalista à paixão inseparável do coração de torcedor, mergulhei fundo neste projeto. E, como diz a banda brasileira O Rappa na tão conhecida música Pescador de Ilusões, "Valeu a pena, ê ê!". Fui o pescador dos meus sonhos. Narrei o inédito tetracampeonato nacional, contei muitas outras histórias marcantes, fiz novas amizades, fortaleci as velhas amizades, expus opiniões, cornetei demais... Foi uma época linda e uma experiência enriquecedora. Um ano e seis meses depois do pontapé inicial, devido a uma reformulação na plataforma, o Blog Glorioso Encarnado está se despedindo do ESPN FC Brasil.


Isto quer dizer que o trabalho vai acabar? Não mesmo. "Prometemos despedirmos sem dizer adeus jamais, pois haveremos de nos reunirmos muitas vezes mais", como fala o icônico Chaves, personagem do ator mexicano Roberto Gómez Bolaños (in memoriam), em Boa noite, Vizinhança, canção do inesquecível episódio em Acapulco. Vocês podem me encontrar no Twitter. O arquivo das postagens estará disponível em breve na minha conta no Medium, onde estou precisando tirar teias de aranha, devo confessar, e onde, a princípio, pretendo continuar escrevendo.


Quem alimentou o blog fui eu, mas quem o fez foram os benfiquistas e as pessoas que confiaram no meu trabalho. Sou e sempre serei imensamente grato a todos vocês! Em especial, a Deus e aos meus pais, minhas eternas bases. Vamos continuar caminhando juntos, malta. Temos muito a conquistar na vida. De todos somos um. E Pluribus Unum. Muito obrigado! Um forte abraço! Vamos, Benfica!