Luche y vuelve: Boca perde Benedetto por no mínimo 6 meses

Prensa Boca Juniors
Prensa Boca Juniors


A infeliz coincidência, o susto do destino. Menos de uma semana após ter contado aqui no blog a história de quando Palermo rompeu os ligamentos do joelho, o mesmo acontece com Benedetto, o nosso melhor camisa 9 depois do Titán ter pendurados as chuteiras.


A derrota para o Racing que nos tirou a invencibilidade - mas não a liderança - dói pouco. A verdade é que perder um clássico nunca foi tão pouco importante. Já haviamos perdido Gago, agora perdemos o Pipa. Em ambos seus cruzados não suportarem a força. Triste por nós, que perdemos nossos dois melhores jogadores num Boca como há muito tempo não se via. Triste por eles, pela dor, por ficarem longe e por perdem a grande chance de disputar uma Copa do Mundo.


Em novembro de 1972, o General Perón voltava ao país após 17 anos exilado. Era o encontro do líder com seu povo. De seu retorno até sua eleição em 1973, a Juventud Peronista usava o slogan, que logo virou uma grande expressão popular: Luche y Vuelve!


E nada é mais peronista que o povo xeneize. Aquele que acredita, que espera, que luta. O povo da classe trabalhadora, o sofrido.


Acordamos na manhã de segunda com a mesma esperança de outros tempos. O destino nos coloca novamente à prova. São histórias que se repetem. Palermo era um absurdo goleador, tinha concretas propostas do futebol europeu, era convocado pela Selección e, quando seu joelho se rompeu em 1999, parecia ter perdido tudo. Voltou na fase final da Libertadores 2000, destruiu o River nas quartas-de-final. Campeão do Mundo contra o Real Madrid naquele mesmo ano, marcou os dois gols no Japão. Ganhou tudo pelo Boca. Se tornou o maior artilheiro da história do clube e, em 2010, ainda teve a chance de jogar (e marcar um gol) no Mundial da África do Sul.


Benedetto tem história semelhante. Nunca marcou tantos gols e desde Palermo não tinhamos alguém como ele. Proposta da Europa, próximo de jogar a Copa 2018. Se rompeu. Talvez, inclusive, seja a única forma dele permanecer no Boca para o ano que vem e voltar nas fases finais da Libertadores.


Se repetirá o destino?


Do lado de cá ficamos apenas apreensivos. Torcemos para que, quando chegue, Wanchope Ábila faça os gols que esperamos e que tínhamos em Benedetto. Para que, caso volte, Tevez seja o jogador e líder que se foi e perdeu parte da idolatria.


Mas, para Benedetto, apenas podemos dizer: Luche y Vuelve. Como um dia foi feito com o General Perón, nós estaremos aqui, esperando.


#FuerzaPipa