A Libertadores já começou e o Boca tem a obrigação de avançar

Riquelme sempre disse que 'La Copa empieza en los octavos'. Para o maior camisa 10 da história do torneio, as coisas sempre foram muito claras: o Boca tem a obrigação de passar à fase de grupos. E, quando chegam os jogos de mata-mata, ai sim é que a coisa começa de verdade.


Conmebol
Conmebol

La Copa Libertadores es mi obsesión...


Dessa vez, porém, me arrisco a dizer que a Libertadores 2018 começou ainda no sorteio, com as bolinhas rodando e a ansiedade em ver o nome do seu time no papelito. São vários times grandes, campeões e de tradição. Certamente será uma das mais difíceis da história.


Analisando o grupo, obviamente o Boca poderia ter tido mais sorte. Vamos enfrentar no Palmeiras, o clube que mais investe e gasta em todo o continente. Se isso faz do time paulista um superfavorito, não sei, mas certamente será um cruzamento especial. Um ótimo teste de fogo para o que desejamos, que é o título.


O Alianza Lima - que voltou a ser campeão no Peru - chega como um clube tradicional e que com o moral alto. Obviamente não é favorito a passar de fase, mas pode muito bem ser a gangorra. Mesmo que não avance, poderá tirar pontos de todos os outros times e isso fará toda a diferença após as seis fechas.


O quarto time do grupo ainda não está definido. De qualquer forma, as chances de ser mais uma pedreira são altíssimas. O favorito será o Olimpia, tricampeão da Libertadores e campeão do mundo. Uma torcida forte e que, por história, é o maior pesadelo do Boca em Copas Libertadores. Já nos elimnaram três vezes e em duas delas evitaram nosso tricampeonato consecutivo. O outro pode ser o também paraguaio Guarani, que nos últimos anos tem feito melhores campanhas que o próprio Olimpia. Um clube organizado e que deixou sua marca contra grandes clubes de Argentina e Brasil.


As outras duas hipóteses são o Junior de Barranquila e o Carabobo. O time colombiano venceu a Copa Colombia e foi até a semifinal da Copa Sul-Americana. Como destaque tem Teo Gutierrez, que jogou no nosso maior rival e tem um relacionamento de completo ódio com a torcida xeneize. Caso seja o time da Shakira, teremos um duelo quente e um bom time.


Já o Carabobo dificilmente chegará para provar que não tem mais bobo no futebol. A piada é ruim. Mas nada diferente do que é o time venezuelano.


O grupo é forte e o Boca não pode bobear. Precisa mostrar ao que veio na Libertadores. Ainda assim, avançar é uma obrigação.