O verão acabou, é hora de o Boca voltar a vencer

A pausa para o verão nos favorecia. O Boca é líder da Superliga e classificado para a Copa Libertadores. As ausências importantes de Gago e Benedetto foram, em parte, supridas pela volta de Seba Pérez e as chegadas de Tévez e Wanchope Ábila. Apesar de toda a ilusão causada por um bom mercado, os resultados dos jogos não foram nada satisfatórios.


Claramente Guillermo Barros Schelotto optou por rodar o time e fazer testes. Não deu a mínima para os resultados. E ele está certo. Os 'Torneos de Verano' nunca servem para ditar a temporada, talvez para ligar o alerta e mostrar que nem tudo vai absolutamente bem. É melhor que as falhas aparecam neste momento. Sempre foi, historicamente falando, uma pré-temporada. Agora é uma inter-temporada. Nem mais nem menos que isso. Agora que a Argentina acompanha a temporada europeia, é comparável ao que fazem na Alemanha. Lá, tem a pausa de inverno, aqui a de verão.


Nos três jogos que fizemos, nunca entramos com um time exatamente titular. Na derrota para o Godoy Cruz em Mendoza (3 a 2) uma equipe cheio de caras novas, mesclado, com estreias. Importante para que alguns se habituem a jogar neste sistema.


Prensa Boca Juniors
Prensa Boca Juniors


Já contra o Aldosivi, um pouco mais de peso, já que jogaram Tévez e Wanchope. Ainda assim, problemas extra-campo fizeram com que Fabra, Barrios e Cardona ficassem de fora na última hora. O Boca vencia tranquilamente por 2 a 0 e levou um empate atípico. Derrota nos pênaltis em amistoso conta menos que goteira em alto mar.


Contra o River jogava-se apenas a importância de ser o clássico. Nada além disso. Contra eles não podemos perder. Nunca. Não importa o que seja. E dessa vez Guillermo errou. Era jogo pra ganhar e ligar o botão do moral, do hábito de vitórias. Como sempre dizia Carlos Bianchi, 'uma vitória chama outra vitória'. Peruzzi novamente como titular foi um erro. Buffarini jogando no meio. Tévez como '9' fixo. Maroni entrou pela ponta. O terrível Espinoza mais uma vez como títular. Errou no 11 inicial e nos cambios. A derrota por 1 a 0 ficará no historial, nada além disso. Mas por vezes jogamos é pela história.


Sábado, contra o Colón em La Bombonera, é dia de esquecer estes jogos. A Superliga volta e não há mais desculpas. O verão acabou, é hora de voltar a vencer.