Sport 1-2 Botafogo: sustos contra um freguês rubro-negro

Por Fabiano Bandeira


O Botafogo foi ao Recife para enfrentar o Sport pela quarta vez no ano. O Glorioso havia eliminado o time pernambucano na Copa do Brasil e vencido o rival no primeiro turno do Brasileirão. É sempre bom ter um rubro-negro para chamar de freguês. O time da casa queria se afastar da zona de rebaixamento e o Alvinegro precisava apagar a má impressão deixada no clássico contra o Fluminense. As duas equipes precisariam mudar a atitude e quem tivesse mais disposição, provavelmente, venceria o jogo. Felizmente o Fogão obteve êxito. Contudo, a torcida sofreu novamente, pois o time quase entregou o ouro ao anfitrião no fim.


O Sport precisava vencer e o Botafogo foi a campo com sua tradicional formação. A linha de defesa titular acompanhada por Lindoso, João Paulo e Bruno Silva aberto pela direita, Pimpão aberto pela esquerda, Marcos Vinícius como meia centralizado e Brenner no ataque. A forte marcação deu o tom do início da partida e o Glorioso aproveitou uma chance inusitada. Bruno Silva resolveu apertar a saída de bola do goleiro Magrão, roubou a pelota e abriu o placar. Pouco depois, Marcos Vinícius em bela jogada individual fez o segundo gol do Fogão.


Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Rabello teve ótima atuação diante do ataque do Sport


É válido fazer uma análise a respeito do "meia central" utilizado por Jair Ventura. Em 2017, todos foram criticados em algum momento. Camilo saiu, Montillo pouco jogou, Valencia nada mostrou, Marcos Vinícius oscila e João Paulo rende melhor atrás da linha da bola. O esquema funciona, porém não privilegia a posição do dito camisa 10. Quando o adversário dá espaços,
um jogador como Marcos Vinícius se destaca. Entretanto, quando o rival tem extremos que fecham as alas, sobram volantes para marcar apenas um criador de jogadas. Desta forma a construção fica comprometida.


Fluminense no primeiro turno, São Paulo, Corinthians e Sport deram brechas e Marcos Vinícius mostrou potencial. A partir do belo gol marcado pelo meia na Ilha do Retiro, o Botafogo passou a administrar o jogo e ainda criou chance para aumentar o placar. Brenner perdeu uma grande oportunidade após ter recebido passe de Bruno Silva. O Sport voltou para a segunda etapa a fim de mudar o panorama, mas o Fogão se defendia bem. O problema é que Lindoso saiu gripado e João Paulo machucado. Jair colocou Matheus Fernandes, que não foi bem, e Gilson. O reserva de Victor Luis provou que não pode jogar no meio de campo.


Brenner cansou e o treinador colocou Guilherme para atuar ao lado de Pimpão. O time caiu consideravelmente de produção após as mexidas. Jair é bom técnico, porém não é salutar ficar assustando o torcedor rodada após rodada. O Alvinegro parou de jogar e o Sport diminuiu a poucos minutos do fim. A equipe havia tomado gol pelo lado esquerdo contra o Fluminense e entregou a última bola para o Leão pelo mesmo setor. É inadmissível que dois marcadores não consigam neutralizar o adversário na faixa de campo que deveriam ocupar. Apesar dos sustos, o Fogão venceu por 2x1 e trouxe os 3 pontos na bagagem.


Notas


Gatito Fernández: 7
Fez defesas razoáveis e nada pôde fazer no gol marcado pelo Sport.


Arnaldo: 6
Voluntarioso como sempre. Contudo, errou em lances bobos.


Joel Carli: 7
Segurança faz parte do uniforme do argentino.


Igor Rabello: 8
Atuação de gala do jovem promissor.


Victor Luis: 5,5
Tem tomado dribles que não tomava antes e produz cada vez menos no ataque. Está na hora de voltar a render.


Rodrigo Lindoso: 7
É fundamental na composição do time atualmente. Fez falta ao ser substituído.


João Paulo: 8
Marcou, ajudou na criação e foi importante na estrutura tática.


Bruno Silva: 8,5
Fez um gol pela vontade que demonstrou, foi experiente durante a partida. Se destacou positivamente.


Rodrigo Pimpão: 5,5
Jogou com a garra habitual, mas continua falhando na parte técnica.


Marcos Vinícius: 7,5
Tem qualidade, fez um belo gol, mas não consegue manter o ritmo físico.


Brenner: 6
Tentou ajudar fora da área e perdeu uma chance clara de gol. Sempre cansa na segunda etapa.


Matheus Fernandes: 5
A torcida precisa ter paciência, pois Matheus é uma joia do clube. Não foi bem na saída de bola e apenas ajudou na marcação.


Guilherme: 5
Teve dificuldades para puxar os contra-ataques que o Botafogo precisava para aumentar o placar.


Gilson: 5
Atualmente é necessário que o jogador de futebol saiba fazer mais de uma função. Infelizmente Gilson não tem conseguido ajudar nos últimos jogos. O ideal é que volte para a lateral.


Jair Ventura: 5
O treinador precisa entender que comete erros. As substituições deixaram o time com uma postura ruim e tomando ataques por um setor que deveria estar controlado. A forma de mudar o jogo precisa ser revista urgentemente, pois a chance de ir direto para a fase de grupos da Libertadores é cristalina.


-


Fabiano Bandeira é colunista do Pop Bola, comentarista no CJC Esportes e na Rádio Opinião. Participa esporadicamente do Pop Bola na Rádio Globo. Você o encontra falando sobre Botafogo em seu Twitter.