O melhor XI do Vozão entre 2007 e 2017

No final de 2017, eu perguntei à alvinegrada do Twitter qual foi o melhor time que eles viram jogar entre os anos de 2007 e 2017. Obtive 21 times com 34 jogadores distintos sendo citados. Logo tive a ideia de conseguir aquele que seria o "Melhor XI" do Vozão nesses últimos 10 anos. Assim, fiz uma série de enquetes no Twitter (acredito que ninguém aguentava mais) com 4 opções para cada posição. O interessante de tudo é que o critério foi paixão. Nada mais que isso. Se tecnicamente o jogador X jogou mais que o jogador Y, porém o jogador Y tinha mais carisma que o X, entrou o X. Ou o Y. Foi a voz do TORCEDOR ALVINEGRO. Torcedor esse que não entra em campo, mas veste a camisa e joga junto. Vamos conferir então esse time de mitos!


1 - ADILSON


Quantas vezes não saí rouco do estádio de gritar "Ão ão ão, o Adilson é paredão!"? O Paredão Alvinegro é o primeiro ídolo que consigo recordar, muito devido a eu ter começado a ir ao estádio na época em que ele começou a jogar por aqui. Adilson chegou a Porangabuçu em 2004, de onde saiu apenas em 2012, atuando em 235 oportunidades. Embora seus melhores momentos tenham ocorrido antes de 2007, o torcedor alvinegro manteve boas lembranças dele, até devido ao momento turbulento do clube em que ele brilhou. Como esquecer o pênalti de Rinaldo na final do Cearense em 2006, que fez com que 2 fosse maior que 10? Ou de outra defesa de pênalti no último minuto contra o Guarani na Série B do mesmo ano que foi fundamental para nossa permanência? Apesar de ter decaído seu nível nos últimos anos em que atuou, Adilson ficará sempre na memória do torcedor. Um goleiraço. Como já citado anteriormente, o goleiro pegou uma fase bem difícil do Ceará e por isso achei justo a braçadeira para o Paredão, que hoje em dia está aposentado.


2 - SAMUEL XAVIER


O lateral-direito atuou no Ceará em 2014 e 2015 e deixou saudades. Jogou muito. Veloz, eficiente atrás e na frente e com bons cruzamentos. Em 86 partidas, anotou 4 gols, um deles bastante memorável para mim. Na semifinal do Nordestão 2014, Samuca deu um chapéu no goleiro e só não entrou com bola e tudo porque teve humildade. Um golaço que ajudou no 4x0 da ocasião e nos deixou com um pé na final daquele ano. Vale ressaltar que ele ainda deu uma assistência nesse jogo. Naquele time de 2014 que encantou o Brasil no primeiro semestre, ele se destacou. Foi imortalizado como o lateral-direito do título invicto da Copa do Nordeste de 2015. Apesar de ter sido sondado em alguns grupos o seu retorno ao Ceará para a temporada 2018, o atleta foi contratado pelo Atlético/MG.


3 - FABRÍCIO


O Xerifão Alvinegro atuou pelo Ceará entre 2008 e 2011. Jogou 225 partidas e foi peça fundamental do Acesso em 2009 e da bela campanha na Série A de 2010. Dos 11 gols que marcou com o manto, vou sempre lembrar do gol do acesso em 2009, contra a Ponte Preta. Uma testada indefensável que fez com que o Ceará que, até um ano antes, sempre era visto como candidato ao rebaixamento à Série C, conseguisse um improvável acesso. Parecia que estava sonhando. Mas não estava. E, no ano seguinte, o zagueirão fez uma boa Série A, apesar das desconfianças daquele time que cravou uma Sulamericana. Um zagueiro classudo e raçudo ao mesmo tempo. 


4 - ANDERSON


Confesso que, para mim, foi a surpresa dessa seleção. Porém, ao lembrar de seu fubebol, posso entender o porquê de estar aqui. Embora não fosse titular, teve participação no acesso de 2009 e jogou muita bola nas duas Séries A que disputou pelo Ceará, em 2010 e 2011. O beque atuou 67 vezes com a camisa alvinegra, marcando 3 gols. Embora não tenha atuado tão bem no seu retorno em 2014, Anderson ficou marcado na história do Vozão. 


6 - FÁBIO VIDAL


Classudo demais, Fábio Vidal foi essencial na caminhada para o acesso de 2009. À época, já com idade avançada, o lateral desfilava em campo. Preciso na marcação e no apoio, Vidal (com seus cabelos esvoaçantes) jogou demais e garantiu o Vozão na Série A de 2010. Atuou 35 vezes entre 2008 e 2009 e ficou na memória do torcedor. Conhecido por seus cruzamentos e laterais longos perigosos, dificilmente o lateral esquerdo será esquecido. 


5 - JOÃO MARCOS


 ÍDOLO SUPREMO. O João de Ferro, ao meu ver, está na galeria de ídolo de todos os tempos do Vozão. Não há palavras para definir a admiração que tenho por ele não só como jogador, mas como ser humano. De uma simplicidade infinita, não há como descrever a sua importância ao Ceará SC. Entre 2009 e 2017, conquistou dois acessos, cinco cearenses e uma copa do nordeste, tornando-se um dos atletas mais vitoriosos de nossa história. Quem vê esse currículo não acredita em sua humildade. 376 partidas fazem com que esteja entre os 10 atletas que mais vestiram a camisa do Vovô. Marcou 3 gols e me marcou na partida contra o Santos de Neymar. "Vem Neymar, vem!". Sensacional! E ainda demos uma sapecada no time da Vila Belmiro. Aposentado esse ano para trabalhar no clube, João já confessou que virou torcedor.  Disse que não gostava de assistir a partidas do Ceará que não participava em casa pois "dizia coisas que normalmente só falava dentro de campo". Tão torcedor quanto eu ou você, leitor. Merece um lugar no rol de maiores jogadores da história do Ceará. Termino sua parte como comecei: ÍDOLO SUPREMO.


Site oficial do Ceará SC
Site oficial do Ceará SC

O João de Ferro comemorando seu segundo acesso: ÍDOLO SUPREMO


7 - MICHEL


Participou da enquete como 1º volante e perdeu para João Marcos. A pedidos da torcida, participou de novo como 2º volante e obteve empate técnico com Richardson. Porém, pelo seu tempo de casa e identificação com a instituição, levou a melhor sobre o concorrente. Fundamental no acesso de 2009 e na campanha que deu a Sulamericana em 2010. Volante volante, Michel aprimorou bastante seu passe desde sua chegada ao Ceará em 2007 e foi fundamental para o acesso de 2009. Era um cão de guarda. Ao lado de Heleno de João Marcos, formou o "trio de ferro", pilar das campanhas de 2009 e 2010. Na sua saída, em 2011, o atleta não conteve as lágrimas; já virara torcedor à época. Em 2018, nos encontrará no Campeonato Cearense, pois atuará pelo Iguatu. Em suas passagens, marcou 7 gols em 299 partidas e sempre será lembrado por sua música "Uh é cruel, nosso guerreiro Micheuô".


8 - RICARDINHO


 Quer jogar? Ricardinho vai te ensinar. O mito joga demais. Meia clássico com excelente visão de jogo, ótimo passe, fantástica finalização à longa distância e até uma boa marcação, Ricardiniesta, ao meu ver, também é ídolo. Com uma passagem nem um pouco marcante em 2007, o meia voltou em 2013 e atuou até 2015, onde conquistou dois cearenses e foi protagonista do título do Nordestão. Foi ao futebol árabe em 2016 e voltou em 2017 se recuperando de grave lesão. O que ele fez? Disse que só aceitava salário quando estivesse jogando. Incrível a postura de jogador que se identificou com a instituição. O único da seleção que ainda se encontra no clube como jogador, R8 protagonizou momentos mágicos ao torcedor durante seus 212 jogos e 34 gols. Gol e duas assistências na final da Copa do Nordeste, líder da campanha que nos salvou do rebaixamento em 2015 e aquele gol contra o Brasil/RS na última Série B. Esse último com uma comemoração incrível. O jogador parecia um torcedor em campo e comemorou aquele gol "engasgado". Ele sabia que merecia ser titular da equipe e ajudou o time com o tão sonhado acesso. É, Ricardinho, você tem um fã aqui. 


10 - MARINHO


Na enquete que o torcedor achou mais difícil de votar, o Di Marinho levou a melhor. Herdando a camisa 10 que usou no título da Copa do Nordeste (e como se destacou!), o atacante atuou apenas 29 vezes com a camisa alvinegra e marcou 9 gols no primeiro semestre de 2015, mas deixou saudades. Atuando com 40 graus de febre (posso ter exagerado, mas o próprio Marinho chegou a passar mal nessa partida), o mito deixou uma partida em minha memória. Aquele 2x2 contra o Vitória na semifinal da Copa do Nordeste em 2015, onde ele anotou um golaço e sofreu o pênalti que garantiu o empate e a classificação. Aquela competição, aliás, rendeu uma tatuagem ao atleta com a taça e um "M10". Nada de falsa modéstia, ele sabe que foi decisivo. Como esquecer também sua entrevista após o jogo contra o Santa Cruz (que, por sinal, assinalou 2 gols e uma assistência), que acabou sendo sua última? Sabia não? Pois é, que m#$%@. Marinho, espero ver você jogando mais uma vez com o manto. 


11 - MAGNO ALVES


 Ah, o Magnata. De longe, o maior que vi jogar com a camisa alvinegra. Confesso que fiquei chateado com o atleta devido à maneira que saiu no final de 2017, mas não consigo esquecer os bons momentos que ele me proporcionou. Quantas partidas o garoto de Aporá não decidiu para nós? Com passagens em 2010 (artilheiro na Série A que nos garantiu uma Sulamericana), 2012 a 2015 (artilheiro de duas Copas do Nordeste, campeão de uma, bicampeão cearense e artilheiro do ano no Brasil) e 2017 (artilheiro do clube no ano, um cearense e um acesso), o Magnata com certeza representou bem a nossa camisa quando esteve em campo. Foram 103 gols em 220 partidas, números incríveis que o deixaram no rol dos 5 maiores artilheiros da história do Vozão. Mesmo aos 42 anos, inicia uma nova caminhada no Grêmio Novorizontino nesse 2018. Torço para que se realize por lá. 


9 - MOTA


Jogador torcedor. Não há como explicar a sensação que Mota deve ter ao representar seu time de coração e ser adorado pela torcida. Com passagem no começo dos anos 2000 (quando ficou conhecido por suas comemorações de gols subindo no alambrado do antigo PV), o ídolo voltou em 2009 e foi um dos pilares do acesso. Naquele ano, aliás, Mota protagonizou um momento inesquecível para mim. Na 28ª rodada, brigávamos para permanecer no G4 e tínhamos o rival (no Z4) pela frente. Mota não teve dó nem piedade e marcou o gol que nos deu a vitória, nos garantindo em cima e afundando o rival. Quando esteve fora (mais precisamente no futebol coreano), Mota pagava o sócio-torcedor do clube do coração. Em 2012 e 2013 foi bicampeão cearense, onde montou uma dupla de ataque infernal com Felipe Azevedo e depois com o Magnata. Atuando 191 vezes e marcando 89 gols, o atleta, que nesse ano de 2018 vai disputar mais um campeonato cearense pelo Ferroviário, representou o torcedor alvinegro quando esteve em campo.


TÉCNICO: PAULO CÉSAR GUSMÃO


Outro protagonista do acesso em 2009. Pegou um time desacreditado e o tornou num time vencedor. Aquele time, aliás, possuía uma base incrível. Dos 11 titulares, 9 apareceram nas votações e 5 figuraram na seleção. Detalhe que Anderson estava naquele time (reserva) e também figurou na seleção. E muito do sucesso desse time se deve ao professor. PC montou uma defesa sólida e um ataque cirúrgico. O resultado todos lembram bem. Me marcou sua entrevista após aquele jogo contra o Paraná: "Nós vamos subir. Contra tudo e contra todos". Ali, na 25ª rodada, o acesso ficou mais claro. E foi como o treinador previra: contra tudo e contra todos. No ano seguinte, apesar de só participar do início da Série A, PC chegou a nos colocar em 2º lugar, sendo primordial naquela campanha. Teve outras passagens mais apagadas após isso e totalizou 118 partidas no comando do maior alvinegro nordestino. Todos os louros ao treinador que fez com que nossa torcida sonhasse mais alto após o acesso.


SUPLENTES: 12 - Éverson, 13 - Arlindo Maracanã, 14 - Erivélton, 15 - Diego Sacoman, 16 - Vicente, 26 - Richardson, 20 - Geraldo, 45 - Lima, 17 - Osvaldo, 18 - Bill. 


Mário Henriques
Mário Henriques

Melhor XI do Ceará SC entre 2007 e 2017.


Abaixo segue a transparência com opções das enquetes, quantidade de votos e porcentagens. Lembrando que as enquetes foram baseadas nos jogadores que a torcida relembrou que atuaram entre 2007 e 2017.


Mário Henriques
Mário Henriques

Resultados das enquetes realizadas no Twitter.


Queria agradecer a todos que participaram das enquetes e apoiaram o trabalho. Um agradecimento em especial ao Davi Maia e ao Christian Alekson pela ajuda nas escolhas dos nomes e disponibilização do leiaute, respectivamente.


Um pequeno adendo é que minha seleção ficou um pouco diferente da mais votada. Ela conta com Éverson; Samuel Xavier, Fabrício, Diego Sacoman, Victor Luís; João Marcos, Richardson, Ricardinho; Marinho, Magno Alves, Mota; PC Gusmão. E você, alvinegro, concorda com essa seleção? Acha que teve alguém injustiçado nas votações? Alguém que não está aí deveria ser pelo menos lembrado? Poder dar pitaco!