O que você fez nos últimos 12 anos?

Sirli Freitas/Chapecoense
Sirli Freitas/Chapecoense


Nos últimos 12 anos, o mundo assistiu a três Copas do Mundo (e se prepara para a quarta), e viu levantar taças Alemanha, Espanha e Itália (que sequer disputará neste ano). Zidane deu uma cabeçada no peito de Materazzi, Suárez salvou o Uruguai com a mão e foi expulso em seguida, e o Brasil levou 7 x 1 da Alemanha com quase 60 mil pessoas nas arquibancadas. O Chile foi bicampeão da Copa América sobre a Argentina de Messi e o Leicester foi campeão da Premier League sobre o Arsenal.


Nos últimos 12 anos, Romário e Túlio Maravilha marcaram seus milésimos gols a tempo do futebol brasileiro lamentar a aposentadoria de Ronaldo, Ronaldinho, Roberto Carlos e Cafu, e assistir a ascensão de Neymar Jr, Gabriel Jesus, Bernard e Coutinho. Nos últimos 12 anos, dois times brasileiros foram campeões mundiais e dois foram vices. Seis times foram campeões da Libertadores, alguns duas vezes, e quatro foram vices. O Santa Cruz subiu da Série D para a Série A, o São Paulo conquistou o Brasil três vezes e o Vasco foi rebaixado três vezes.


Nos últimos 12 anos, seis edições do Campeonato Gaúcho foram definidas em Gre-Nal, e outras seis tiveram times do interior contra a capital - o Novo Hamburgo foi o único interiorano bem-sucedido até agora. Paraná Clube, Paranavaí, Londrina e o Operário venceram a hegemonia AtletIba no Paraná. O Londrina conquistou a Primeira Liga. Sandro Sotilli e Gustavo Papa se aposentaram, e o sul viu um goiano chamado Fernandão se tornar um dos maiores ídolos da sua história.


Nos últimos 12 anos, Chapecoense e Figueirense estiveram em onze finais do Campeonato Catarinense. E nunca se encontraram entre si.


No próximo final de semana, a Federação Catarinense de Futebol vai coroar mais um campeão estadual. Chega ao fim um campeonato carisma, que teve cheiro de anos 90, com venda de cerveja nos estádios, com Concórdia na primeira divisão e com “time pequeno” alcançando o terceiro lugar. Um campeonato que teve pouca transmissão de TV, teve público baixo em mais jogos do que eu gostaria de citar, e teve um regulamento que dispensa comentários.


Mas o campeonato acabou e o fenômeno dos pontos corridos colocou frente a frente, na final, dois times que tem largas diferenças e que jamais se enfrentaram em finais. Estarão em campo, neste domingo, duas regiões do estado, mais de 30 mil sócios, 140 anos de história e 23 títulos estaduais. A partir do apito inicial, 12 temporadas do Campeonato Catarinense poderão ganhar uma nova resposta.


Estejamos todos na Arena Condá para saber contar a história depois. 


Tô por TRI, Chape!