Equilíbrio é a palavra-chave para o calendário de fim de ano

Vai começar o período mais intenso do futebol inglês, e o bicho vai pegar. Encerrei o texto passado nessa toada e espero que todos em Cobham tenham refletido e estudado nesta breve pausa internacional. A última data FIFA se foi e, depois de constantes interrupções para os jogos das seleções, Maurizio Sarri e companhia terão uma verdadeira maratona até o começo de 2019.


Contando o confronto contra os Spurs até o dia 31 de dezembro serão nada mais, nada menos, que ONZE partidas do Chelsea. É overdose azul, que inclui Premier League, Europa League e as quartas de final da Carabao Cup. Todo torcedor gosta de ter muitos jogos para poder acompanhar e torcer. É um clichê essa última frase, diga-se de passagem. Porém, um clichê necessário. O lado negativo é que a qualidade costuma decair, afinal, é muita bola rolando. Quer exemplo mais claro do que o campeonato brasileiro? São 38 rodadas espremidas ao longo de quarta-domingo, quarta-domingo, quarta, etc.


Voltando ao futebol do campeonato inglês, também temos pequenos problemas como o mês de dezembro. E o Chelsea vai ser um dos mais afetados na atual temporada.


Getty Images
Getty Images

Hazard ainda não é um super-herói...


O brilhante trimestre de Sarri até agora passou, basicamente, por chegar, mudar tudo e contar com os resultados aparecendo antes do desempenho, o que lhe deu o tempo e a calma necessária para mexer nas estruturas e nos pequenos detalhes azuis. Todavia, ressaltei que havia alguns problemas na formulação tática e física da equipe. Se há a expectativa por uma evolução nessa loucura de fim de ano? Difícil. Mas se o desempenho for minimamente igual, já teremos conquistado uma importante vitória. A evolução passa pelo andamento da temporada, contudo, ser conservador em momentos-chaves não é demérito algum.


Qual é o grande objetivo da temporada? Título da PL? G4 e volta à Champions? Mais do que nunca conseguiremos entender isto nos jogos que estão marcados porque é impossível atuar com Eden Hazard, por exemplo, em todos os jogos de Dezembro. Willian e Pedro irão se multiplicar? Nosso elenco será testado, e enquanto os rumores sobre jogadores que poderiam ser contratados florescem, a bola não vai parar de rolar.


É necessário, mais do que nunca, rodar todo o elenco, não somente cinco ou seis jogadores. Hudson-Odoi, cogitado para ser emprestado no começo de 2019, é um dos jovens que deve ter oportunidades em meio a essa maratona. Ampadu também poderia aparecer mais vezes, assim como Loftus-Cheek. A grande palavra resumindo o Sarribol nas próximas semanas se chamará equilíbrio. Vamos precisar.