O show de horrores no Olímpico: Chelsea passou vergonha na Champions

Contra-ataque da Roma. Dzeko é lançado enquanto os trapalhões - David Luiz, Rüdiger e Azpilicueta - correm desesperadamente atrás do centroavante. Os três foram incapazes de desarmar o atacante, que ainda teve tempo de girar e encontrar seu companheiro livre de marcação. O gol não saiu, mas este lance basicamente resume a desastrosa atuação dos Blues.



Acredito que nem no FIFA ou PES seja possível se defender de forma tão amadora. É quase inacreditável que uma das defesas mais sólidas da temporada passada foi completamente destruída por El Shaarawy e companhia.


Depois da excelente performance contra os Blues em Stamford Bridge no empate por 3 a 3, os italianos engataram uma sequência de três vitórias consecutivas na Serie A: triunfos diante Torino, Crotone e Bologna - todos vencidos por 1 a 0. Eis que surge o Chelsea para facilitar: tomou três gols novamente, sendo o primeiro no primeiro ataque. Patético. 


Mas é aquela coisa: nada é tão ruim que não possa piorar. Não sei o que passou na cabeça de Rüdiger ao simplesmente desviar da bola que, vale ressaltar, veio em sua direção. Desatenção é pouco para definir o desempenho defensivo dos Blues nesta última terça-feira (31). 3 a 0 foi pouco e o torcedor deve ficar feliz por isso, porque o vexame poderia ser muito maior. 


Getty Images
Getty Images

Complicou, Conte


A pressão pra cima de Antonio Conte se intensificará ainda mais nos próximos dias - e com total razão. O italiano está completamente perdido em suas escolhas, que ficaram expostas contra a Roma: Gary Cahill não pode ser titular.


Diante do Bournemouth, em que o inglês ficou no banco, os Blues fizeram uma partida praticamente segura. Qual a razão, portanto, de escalá-lo novamente como titular? O mesmo se aplica a Azpilicueta: afinal, o espanhol será zagueiro ou ala? Por incrível que pareça, Victor Moses faz falta...


Assim como o Chelsea se reiventou na última temporada depois de uma derrota pelo mesmo placar, este revés para a Roma precisa significar mudanças para o restante da temporada.


Talvez seja o caso de abandonar o já manjado esquema com três zagueiros e apostar em novas formações táticas, pois se as próximas atuações forem mais do mesmo o Chelsea corre o risco de uma eliminação precoce na Champions, além do fato que a briga pelo título da Premier League é quase descartada.


Para sorte dos Blues, o Atlético de Madrid está tão mal quanto nós: não venceu o Qarabag e amarga a terceira colocação com três pontos, mas ainda não há nada definido.


Não custa nada relembrar: o próximo compromisso será contra o Manchester United em Stamford Bridge e a expectativa não poderia ser mais pessimista.


Acorda, Chelsea.