Após perdas, é hora do Corinthians se movimentar de verdade no mercado

Mesmo que a gente não queira assumir e ainda que algumas vendas façam sentido, o Corinthians está sofrendo, de novo, com a perda de jogadores importantes após um título brasileiro. Até agora, falar em desmanche é bobagem, mas as perdas foram bastante significativas.


Tudo bem. Somos campeões do Brasil e precisamos curtir o título. Ok. Mas pensar em 2018 - ano de Libertadores - não é nenhum absurdo.


Até agora, o Corinthians perdeu Pablo, Guilherme Arana, Jô e Marciel. Pablo pediu absurdos e a diretoria tomou a decisão correta em abandonar a negociação. Guilherme Arana já estava vendido ao Sevilla, queria ir embora e não tinha como segurar. Marciel sai para a Ponte Preta após o aval de Carille. para ganhar experiência (o que acho um erro), e Jô, bem, não dá nem para criticar o jogador, a diretoria e todos os envolvidos.


Seria uma insanidade não aceitar uma proposta de R$ 43 milhões por um atacante de 30 anos que chegou sem custos de transferência. É claro que eu não queria ver o Jô fora do time que vai jogar a Copa Libertadores do ano que vem, mas o dinheiro pago por ele foi absurdo para os parâmetros do mercado. Não tinha como negar.


O torcedor deve, inclusive, desejar sorte a Jô e agradecer pelo que ele fez na temporada. Jogou demais! Desde o início foi decisivo e fechou o retorno ao clube que o formou da melhor forma possível. Um gigante.


Ah! E, só para contar, o Almanaque Mosqueteiro foi um espaços dedicados ao torcedor alvinegro que acreditou no Jô quando muitos criticaram a sua contratação.


Gazeta Press
Gazeta Press

A curta - mas bonita - história de Jô no Corinthians terminou da melhor forma


Com isso, o problema real são as reposições. Até mesmo equipes com dinheiro estão com dificuldades para encontrar bons atletas no mercado. Com o Corinthians não é diferente.


Nós ainda precisamos de um bom zagueiro para fazer dupla de zaga com Balbuena, um lateral-esquerdo para chegar e ser titular e um atacante de peso. Além de ainda não conseguir fechar com nenhum desses nomes - embora haja especulações -, a diretoria ainda precisa acertar a renovação de atletas como o próprio Balbuena e Fagner.



Siga o blogueiro no Twitter



O mercado brasileiro para centroavantes está bem escasso. A chance de ter Fred durou apenas horas e o Cruzeiro foi mais rápido no gatilho. Júnior Dutra pode render, mas não para ser o principal centroavante da equipe na temporada. Nisso eu não acredito.


Talvez Henrique Dourado seja uma opção interessante. Sabe fazer gols, foi um dos artilheiros do Brasil no ano e está adaptado ao futebol brasileiro. Também não é tão caro para um atacante - a multa dele com o clube é de aproximadamente R$ 18 milhões por 50% dos direitos, segundo o site netflu.com.br (o valor pode ser negociado envolvendo jogadores, etc). Os outros 50% são do Mirassol. Pode ser um dinheiro bem gasto e que ainda traga retorno, já que o Ceifador tem apenas 28 anos.


Gazeta Press
Gazeta Press

Henrique Dourado seria um reforço interessante para o Corinthians


De qualquer forma, o Corinthians precisa reforçar o elenco o quanto antes. Sabemos que o clube enfrenta uma crise financeira e não está podendo gastar porque tem muitas dívidas, mas é necessário ter um time competitivo para o ano que vem. A temporada está para começar e Fábio Carille precisa de boa parte do elenco já à disposição para a pré-temporada. Isso conta muito e não pode ser ignorado.


Há negociações avançadas com Juninho Capixada e Renê Júnior, além de Tréllez. Até agora, negociações que não foram fechadas. Informações envolvendo Carlos Tevez apareceram na imprensa, mas sou sempre pessimista quando começam com essas especulações envolvendo o argentino. Depois que ele saiu, nunca rolou e ele nunca fez questão de voltar para o clube.


O jeito é aguardar e passar a virada do ano torcendo por boas notícias. Só espero que Alessandro, Adauto e companhia saibam investir o dinheiro que o clube recebeu com as últimas negociações.



Continue acompanhando o Corinthians pela página Corinthiosidades, no Facebook