A festa na bancada está voltando

Nada melhor do que uma vitória com cara de Corinthians para comemorar a liberação das torcidas organizadas, seus artefatos e instrumentos de percussão na Arena Corinthians. Um passo a mais em direção à volta da verdadeira “festa na bancada”. 
 


Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians

Jadson empatou o jogo com golaço antes de Danilo Avelar virar no final


No dia 10 de setembro, a Gaviões da Fiel emitiu uma nota que alegrou o torcedor corinthiano. Após punição de quase dois anos, o Ministério Público revogou a decisão para as quatro torcidas organizadas que ainda estavam impedidas de fazer a festa completa. O Setor Norte pulsou o jogo todo, com a volta da Gaviões, da Camisa 12, o Pavilhão 9 e a Coringão Chopp. Ou melhor, com a volta do batuque, faixas e trajes que dão o espírito à bancada.


Ainda falta muito para que as organizadas possam comemorar e festejar como antes, e para isso, algumas coisas do passado também terão que passar por atualizações. Que se regulem a entrada de rojões e mísseis. Há de se esperar que o Estado perceba que bandeiras de mastro e sinalizadores não matam pessoas, e não fazem mal a ninguém. A pena é pensar que esse mesmo órgão que, falido, é incapaz de reconhecer e punir os infratores, afastando-os dos estádios, e assim, prefere prejudicar uma torcida inteira. Quer usar de exemplo factível? Que usem a Inglaterra e os Hooligans. Permitam a festa, reeduquem e reinsiram os torcedores na sociedade.


A organizada comanda a torcida, e alguns parecem desvalorizar o trabalho deles. Cria-se o medo e a ignorância de dizer “são todos vagabundos”. Torcedor comum é igual ao uniformizado, acontece que aquela comunhão e sinergia com o propósito do Corinthians, só tem vindo da bancada. A resistência. Que permitam a festa!