Deixe que pensem que estamos mortos

É, rapaziada, nunca foi fácil e nunca será. Essa final de Copa do Brasil só prova, mais uma vez, que para essa legião enorme de loucos, nada vem de bandeja. Mas deixem eles pensarem que estamos batidos, somos o time que supera todas as adversidades.


Dentro da realidade do elenco do Corinthians, a missão era manter viva a disputa pela taça. O resultado não foi bom, mas também não decide nada. Precisamos fazer da Arena Corinthians a nossa arma surpresa, que as 45 mil vozes que ecoarem atordoem cada jogador rival.


Divulgação
Divulgação

O gol foi feito por Thiago Neves, que cabeceou errado e enganou Cássio


De todas as jogadas que criaram, o gol saiu da mais boba. Um gol de cabeça do pequeno Thiago Neves. Difícil engolir que nosso time não consiga finalizar uma bola no gol adversário, mas é o jeito que achamos de jogar. Em casa, a história tem que ser outra. Não há espaço para falhas individuais (escutem bem, Léo Santos, Henrique e Avelar), teremos que criar os espaços e contar com um brilhantismo individual de Pedrinho, Vital ou Jadson. Temos que ganhar.


Divulgação
Divulgação

Jair precisa decidir como seu time furará a zaga do Cruzeiro


O histórico General Sun Tzu, chinês criador de estratégias de guerra que são utilizadas até hoje já dizia: "Você tem que preparar iscas para atrair o inimigo, fingir desorganização e depois esmagá-lo (...)Finja estar fraco, ele se tornará arrogante". Os mineiros deixaram seu estádio com o sentimento de que foram muitos superiores, se vê nas redes sociais a soberba e o sentimento de "já ganhou", e esse clima é perfeito para o Corinthians.


O que conforta o psicológico do corinthiano nessa semana de ansiedade pura é saber que já estamos sendo cotados como vice-campeão. O título é deles, eles disseram. O Cruzeiro não perde fora de casa, eles disseram. É, amigo, deixe que pensem que estamos mortos, o resto a gente resolve em casa, apoio não vai faltar.