De camisa 9 o Corinthians está bem servido

Gustavo, ou melhor: Gustagol, fez um 2018 dos sonhos. Mesmo fora de dois meses da temporada, acabou o ano com 30 gols e artilharia do Brasil. Convenceu a diretoria e a comissão técnica do Corinthians de que merecia mais uma chance para mostrar que seu apelido não era à toa. Em seu primeiro jogo no ano, não decepcionou.  


Agora com a 19, nosso novo 9 sabe que terá de suar muito para poder ser titular. Até onde se espera, Mauro Boselli chega com nome pesado. Com isso em mente, Gustagol começou a temporada com tudo. O centroavante comprovou que é letal nas jogadas aéreas. Em sua primeira oportunidade, aproveitou um belo cruzamento de André Luís e testou para o fundo do gol. Comemoração emocionada e sincera. Outro cruzamento de André, que já se mostrou uma peça interessante pela direita, e outra testada que obrigou Vanderlei a operar um milagre. 


Daniel Augusto Jr./ Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr./ Agência Corinthians

A dupla 29-19 deixou um belo cartão de visitas aos corinthianos


O jogo, morno, pouco ofereceu para ser analisado. Talvez tenha deixado mais claro a fragilidade da dupla de zaga. O que se ressalta, porém, é o potencial dos nossos centroavantes para 2019. A faixa do campo na qual mais nos reforçamos pode fazer esquecermos os desastres de Roger, Jonathas e afins. Ambos, inclusive, deveriam ser liberados para encontrarem outros clubes caso a chegada de Vágner Love seja confirmada. Que alívio!


Gustagol tem fundamentos a melhorar, e bastante a aprender, mas já muito bom vê-lo marcar logo de cara. Sem pressão ou peso para o começo do Paulista, pode absorver muito da vivência e estilo de jogo de Boselli. No alto de seus 33 anos, o homem-gol argentino não deve ter muitas temporadas pela frente, podendo assim preparar seu sucessor com a camisa alvinegra. Bons frutos devem ser gerados por essa dupla.


NÃO PERCA OS TEXTOS DO EPIDEMIA - SIGA O INSTAGRAM @EPIDEMIA_BLOG