Nossa casa, nossa vida

Disse no post anterior que um empate no Rio seria lindo. O resultado, de fato, foi maravilhoso. Mas a partida no Maracanã foi horrorosa. O Corinthians não chutou uma bola ao gol no segundo tempo. Não cobrou um escanteio.


Não é o tipo de jogo que me atrai, só que é isto que nos resta neste momento. Muita vontade e pouca criatividade. Aliás, o Botafogo do Jair tinha estas características, como já havia destacado anteriormente. No geral, posso dizer que odiei o confronto de ida da semifinal da Copa do Brasil. Nota 10 para ele (risos). E nota máxima para Cássio também. Pegou muito e ganhou o prêmio de melhor do jogo.



Agora a decisão vai ser na nossa casa. Na nossa Arena. Na nossa zona leste. Lá, ainda não perdemos para o Flamengo. Inclusive, eu nem me lembro a última vez em que o Corinthians perdeu para o time carioca na capital paulista. Mas certeza que não foi nesta década (edit: numa consulta rápida, vi que foi em 2006).


No estado de São Paulo, o último revés foi no Brasileiro de 2009 – naquele polêmico jogo no Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, quando o Flamengo ganhou por 2 a 0 e rumou para o título brasileiro daquele ano.


Agora serão duas longas semanas à espera do duelo de volta. Na nossa casa, vamos jogar a nossa vida neste ano, pois o Brasileirão já era. Alguns vão falar do Paulistão, mas convenhamos que não dá mais para comemorá-lo, né? Foi bom, foi gostoso do jeito que foi, contra quem foi, mas já passou.


Enquanto isto, quem estiver de bobeira na próxima quarta-feira, 19, cola no Parque São Jorge, às 19h30, para apoiar as meninas que disputam uma vaga na semifinal do Campeonato Brasileiro. A partida será contra a Ponte Preta e a entrada é gratuita. Na ida, em Campinas, o Timão ganhou por 1 a 0, com um golaço de Millene.


Vai, Corinthians! Sempre!