Cruzeiro: tudo nosso e nada deles!

Desculpem minha fala desconexa, talvez meu texto não faça sentido, mas estou escrevendo no calor da emoção, com a adrenalina solta e que não baixa nem por reza brava. Cruzeiro é campeão, meu amigo, e isso é tão fantástico que não há razão que segure a emoção! Não, não é o alcool que corre em minhas veias, é o sentimento por um clube que é minha razão de amar de forma incondicional algo que é tão irracional. Te amo, Cruzeiro, você me faz feliz e me dá orgulho.


Cruzeiro, você já me deu tantas emoções, o privilégio de me tornar bicampeão consecutivo nacional (em dois anos, duas vezes mais o que o rival regional conquistou em quase meio século), me fez respeitado perante os torcedores de outros times, mas aquela adrenalina da conquista de um torneio mata-mata já fazia tempo que não me dava. Batemos na trave algumas vezes e talvez a mais dolorida foi em 2009.


GazetaPress
GazetaPress

Esse título é de todos, mas principalmente desse cara aí, 1 gigante, 1 monstro, 1 campeão, o melhor goleiro do Brasil, FABIO!


Mas hoje, após 14 anos desde aquele maravilhoso 2003, você me presenteou com um título espetacular, não pela campanha ou pelo futebol apresentado, mas pela gana, pela raça, pela capacidade de superação, por tudo aquilo que passamos juntos, desacreditados e subestimados. E superamos, juntos, de cabeça erguida, todos os obstáculos e as barreiras que foram colocados até o objetivo derradeiro: a taça, a glória, os merecidos louros!

Apanhamos feio, fomos criticados, mas estivemos firmes, ligados por esse amor que nunca acaba e que nos faz fortes contra nossos adversários. Fomos honestos, humildes e muitas vezes engulimos seco as provocações. Mas cultivamos a revanche dos justos, que na data de hoje nos fez penta da Copa do Brasil.


Cruzeiro, você merece! É o melhor clube da era dos pontos corridos. Bateu muitas vezes na trave, desde 2013, quando foi eliminado pelo Flamengo na Copa do Brasil. E agora chegou sua vez de encerrar esse ciclo, e justamente contra o time que começou tudo isso. Parabéns, Flamengo, por ser esse rival digno e que valorizou muito nossa conquista. Mas a vez de levantar a taça, desta vez, é do Cruzeiro.


GazetaPress
GazetaPress

Monstros, monstros, monstros


Que alegria! Não pelo jogo em si que acabou não oferecendo nenhum espetáculo. Mas pela festa. E que festa, amigos! Mais de 61 mil cruzeirenses pulando, cantando e fazendo o Mineirão pulsar ao ritmo de um sentimento que não se cala! Obrigado, Mineirão, por ser a nossa casa, nunca fomos hóspedes em seus aposentos, sempre nos sentimos donos daquelas arquibancadas recheadas de glórias. Nunca te abandonaremos, você representa com dignidade e honra nosso lar majestoso.


Obrigado, Fabio, um monstro! A cada defesa e título conquistado, está escancarada a injustiça que fazem contra ti na Seleção. Burros! Essa conquista eu dedico a você. Se o time inteiro mereceu este título, você merece em dobro. Campeão e gigante, recordista de presenças, você é lenda viva deste nosso Cruzeiro querido! Fique até quando estiver bem velhinho. Ainda assim, será um goleiraço!


Obrigado, time, diretoria e todos aqueles que tornaram nossas vidas um pouco mais feliz. Esse amor nunca irá diminuir e só tende a aumentar. Te amo, Cruzeiro, nunca te abandonarei!


É penta!