A permanência do Mano no Cruzeiro é uma questão de coerência

Tenho observado um frenesi excessivo após o anúncio da saída do Cuca do Palmeiras e a possibilidade levantada pela imprensa da ida de Mano ao clube paulista. Vale aqui lembrar que nos últimos tempos o Palmeiras parece ter se especializado em copiar os modelos de gestão e de futebol do Cruzero, haja vista as recentes contratações de jogadores e treinadores que já fizeram sucesso aqui em Minas. Tinga, já desvinculado do Cruzeiro, e Mano são as bolas da vez.


Acho curiosa mas não surpreendente a postura de certos jornalistas esportivos que, em outras oportunidades, criticaram o excessivo rodízio de técnicos no futebol brasileiro e que agora se esbaldam e alimentam boatos da ida do Mano ao Palmeiras (embora o treinador esteja com contrato para vencer em dezembro), sem se sentirem minimamente incomodados com mais um caso de um projeto vencedor encerrado de forma precoce.


E é disso que se trata. Se por ventura Mano decidir não renovar com o Cruzeiro, estará fatalmente encerrando um projeto importante para um dos maiores clubes do Brasil e de alguma forma comprometerá o sonho da conquista do título mais importante e significativo para oito milhões de torcedores.


Maurício Farias/Cruzeiro
Maurício Farias/Cruzeiro

Vencedor da Copa do Brasil, Mano tem uma base montada para partir para a conquista da Libertadores. Pra que sair?


Vejam bem, não estou aqui afirmando que a eventual saída do Mano poderá automaticamente determinar o fracasso do Cruzeiro na Libertadores. Mas com o torneio já batendo à porta, a chegada de um novo treinador poderá ser um elemento dificultador relevante, considerando o pouco tempo para implantar sua filosofia de jogo, os jogadores assimilarem seus conceitos e por aí vai.


Embora os rumores de uma possível saída estejam repercutindo bastante, não acredito no fim da era Mano. As pessoas que alegam achar bastante esquisito Mano viajar para São Paulo com a desculpa do tratamento de pele para se encontrar com a diretoria paulista, talvez esquecem que na era da comunicação via internet não faz sentido se deslocar para um lugar para conversar a respeito de qualquer assunto. Cuca também estava na berlinda já fazia algum tempo e não há coincidência alguma sua demissão logo após a ida do Mano a São Paulo.


Também soube de fonte segura e definitiva que o Palmeiras não está atrás de Mano enquanto ele não definir sua situação com o Cruzeiro. A tendência é que renove já na próxima semana, embora não coloque minha mão no fogo por um treinador que nos deixou para fracassar lá na segunda divisão da China. Mas agora Mano Menezes tem a possibilidade de se redimir de forma definitiva e mostrar aquela coerência que faltou no final de 2015. O salário não pode falar mais alto, ainda mais quando um treinador já ganha cifras imorais para a realidade brasileira e quando aqui já tem uma base montada e a tranquilidade para seguir seu trabalho.


Já no Palmeiras encontrará pressão, instabilidade, resistência, a incerteza da vaga para a Libertadores e mais uma vez a fama de um treinador incoerente.


Tudo depende dele. Ninguém estará aqui implorando por sua permanência, o Cruzeiro é muito maior que qualquer treinador, jogador ou dirigente que já vestiu a causa azul. Mas sua permanência poderá significar muito além da possibilidade de um título importante. É sobre coerência e moral. E se ficar, agradecerei exclusivamente a ele.


A bola está com você, Mano!