Cruzeiro: o rumo ao hexa na Copa que interessa em 2018 começou

Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Parabéns, Capitão. E que o seu presente de aniversário seja compartilhado com toda a nação azul no fim do ano


A caminhada rumo ao hexa da Copa que mais importa começou oficialmente. Sim, para nós cruzeirense a nossa pátria veste azul (na maioria das vezes) e vai lutar pelo sexto título da Copa do Brasil. Ou alguém duvida que o maior campeão da competição não vem forte na luta por mais um caneco?


O Cruzeiro contra o Atlético-PR, um time muito bem treinado pelo seu técnico Fernando Diniz, mas que precisa acertar o seu sistema defensivo (de preferência depois de ser eliminado pelo Cruzeiro), fez lembrar muito o time de 2017 e que foi campeão da competição.


Jogando fora de casa, o Cruzeiro se sentiu o mandante, manteve a posse de bola e tocava bem a pelota. Só que o time não encaixou com o Sassá lá na frente e aos poucos o Furacão foi colocando a sua brisa em campo. O gol do time paranaense foi uma resposta pelo misto de apatia e desorganização celeste no primeiro tempo. Que só foi revertida com empenho e dedicação depois de estar atrás no placar.


Sinceramente, quando o Cruzeiro tomou o gol, bateu aquele sentimento de que iriamos virar o jogo. Li de alguns amigos o mesmo sentimento em alguns grupos de WhatsApp e no feed do Twitter. Mas como sempre que exponho esses sentimentos acabo me frustrando, preferi ficar calado.


No segundo tempo, o Cruzeiro voltou diferente para o campo. Foi um combinado do time campeão de 2017 com o que está em alta no Brasileirão e na Libertadores de 2018. Uma equipe consciente e equilibrada, que sabia dar os espaços para poder atacar na hora certa. A boa e velha tática da Raposa velha.


Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Acho que o Arrascaeta estava se poupando em campo para poder jogar e marcar mais um gol no seu provável último clássico contra o time de Vespasiano


O gol do capitão Henrique veio em um ótimo momento. Contestado por uma parte da torcida, e também por este que vos escreve, o tento marcado por ele relembrou aquele golaço contra o São Paulo na Liberta de 2009. Torço e confio que neste 2018, quase dez anos depois, o desfecho pode ser diferente ao fim da competição. Só vamos parar de errar passe de meio metro, né?


Quando o menino Raniel entrou no lugar do Sassá Mutema, rapaz, coração palpitou e falei em voz alta: este menino vai marcar o gol da virada. Foi dito e feito! E como disse o meu amigo Thiago Soraggi no Twitter: “Raniel também está na lista dos 35 do Tite para a Copa! Tenho certeza!".


Acho que, para este ano, o torcedor já está calejado e cascudo quanto ao modo 'Manobol’ de jogar. Mas acho que até o próprio Mano deu uma evoluída no seu pensamento e na forma de montar o time. A equipe está mais qualificada e entrosada. E duas coisas que são essenciais para um time estão de volta: confiança e alegria.


Nem vou falar aqui da partidaça que fez o Dedé. Mais uma vez o xerife e o dono do time em campo. Não errou nem um passe e ainda fez o lançamento de seleção brasileira para o menino Raniel. Já até imaginei o Dedé mandando a bola para o Gabriel Jesus fazer o gol do título do hexa que menos importa neste ano para o cruzeirense.


O meu próximo post aqui no ESPN FC será sobre o Lucas Silva e porque o retorno do bom futebol do Cruzeiro passa pelos pés dele. Assim, poderei responder o questionamento do amigo Rodrigo Corleone em porque o príncipe era banco até algumas semanas atrás.


Vinnicius Silva/Cruzeiro
Vinnicius Silva/Cruzeiro

Alguém duvida que o Cruzeiro não vem forte na briga pelo hexa da Copa do Brasil?


Por fim, da nossa sequência ‘purgatoriana’ de oito grandes e importantes jogos antes da Copa do Mundo, estamos com quatro vitórias. Ênfases contra Vasco, Botafogo, Sport e Atlético-PR que deixam o Cruzeiro forte e entre os favoritos na Libertadores, Brasileirão e Copa do Brasil.


Como é bom ver o Cruzeiro no seu devido lugar de merecimento.


E desculpe, Mano, por ter sido tão superficial e imediatista nas críticas no primeiro trimestre deste ano. Mas que com esta equipe do Cruzeiro, mantida com os jogadores que quis e reforçada com os atletas que pediu e escolheu, você possa escrever mais uma página vitoriosa na nossa história heróica e imortal.