Não é vitimismo, mas o Cruzeiro tem que ficar de olho na arbitragem

Washington Alves/Cruzeiro
Washington Alves/Cruzeiro

Errar é humano. Não marcar três pênaltis em uma partida é questionável.


Não é chororo, não é vitimismo, nem querendo ser tratado diferente dos outros. Mas o Cruzeiro precisa e tem que ficar em alerta para a arbitragem no Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores.


Na partida contra o Vasco, a Raposa teve três lances de pênaltis claros não marcados pela arbitragem. Não foi um, nem dois. Foram três!
No primeiro tempo, um rapa clássico sobre o Edilson, e na etapa complementar uma porrada no Raniel e uma segurada seguida de empurrão no Dedé.


Todos lances claros, sem dupla interpretação e na cara do árbitro, bandeirinha e daquela palmeira que fica de enfeite na linha de fundo.


O que deixa o torcedor mais revoltado é ver no dia seguinte, na partida do Flamengo contra o Fluminense, o juizão marcando um pênalti Mandrake para o líder do campeonato no primeiro tempo, e no segundo tempo ignorar um lance que foi muito mais falta e, mais uma vez, na frente daquele cara que fica ao lado do gol e tem o melhor sócio futebol do mundo.


Estou exagerando? É só procurar na internet aquele juiz auxiliar que gritou um sonoro "P... QUE PARIU" no jogo entre Flamengo x Corinthians, quando a bola passou com perigo pela metade do time paulista.


Aqueles três pênaltis não marcados contra o Vasco poderiam sim ter mudado o resultado final da partida e a nossa atual posição na tabela. Vida que segue. Mas isso já é um grande indício para ficarmos de olhos no homem do apito.


Não sei se todo mundo sabe, mas há algum tempo a própria CBF divulga um ranking do Brasileirão de times mais beneficiados e prejudicados pelos árbitros que é baseado em avaliação dos lances polêmicos da disputa feita pela Confederação com a Comissão de Arbitragem. Levantamento é feito pela entidade após cada rodada e divulgado em seguida.


Claro que não é um estudo completo, que compreenda todos os lances discutíveis da competição. Mas é um termômetro e uma análise importante, oficial, feita pela organizadora do Brasileirão.


Até a sétima rodada, segundo a própria CBF, Ceará, Vitória e Flamengo foram os times mais beneficiados pelos árbitros. E o mais prejudicado foi o América. Não sou eu que estou falando ou afirmando. E depois dessa última rodada, o time carioca deve aparecer novamente como beneficiário.


Não é algo difícil e subjetivo para a diretoria questionar. E com base nesses números e de outros recursos como imagens, o Cruzeiro tem que cobrar arbitragens mais limpas e equacionadas. Vejam bem, não quero vantagem nenhuma. Errar é humano. Deixar de marcar três pênaltis na mesma partida já é questionável.


E por fim, para a partida das oitavas da Libertadores, se fosse da diretoria celeste já teria entrado com o pedido de arbitragem de fora do país para os dois jogos. Erros podem acontecer, mas pelo menos mostra que não vamos ser complacentes com esses equívocos da arbitragem.


Abre seu olho, Cruzeiro!