Cruzeiro precisa desta parada da Copa mais do que qualquer outro time

Vinícius Dias/Cruzeiro
Vinícius Dias/Cruzeiro

Esta parada para a Copa do Mundo será essencial para o Cruzeiro recuperar o fôlego e as boas atuações para o segundo semestre


Sabe quando falam que a conta vai chegar? Pois bem, ela chegou para o Cruzeiro! O mês de maio foi mágico para a Raposa quando vencemos sete de oito jogos (a única derrota foi com o time reserva), marcamos 13 gols, sofremos apenas três, nos recuperamos na Libertadores, abrimos vantagem na Copa do Brasil e engrenamos no Brasileirão.


Mas o problema dessa maratona de jogos é que o time pregou. Nos últimos dois meses, o Cruzeiro fez 19 jogos. Na média, é quase um jogo a cada três dias. E os nossos jogadores não são recém-promovidos do sub-20.


A média de idade do Cruzeiro nas partidas do Brasileirão fica fácil na casa dos 30 anos. De acordo com a TransferMarkt, de cinco jogos do torneio com a média de idade mais alta do time titular, o Cruzeiro esteve nos quatro primeiros!


Olhe a média de idade dos principais titulares da Raposa:
Fábio - 37 anos
Edilson - 31 anos
Dedé - 29 anos
Leo - 30 anos
Egídio - 31 Anos
Henrique - 33 anos
Thiago Neves - 33 anos
Cabral - 30 anos
Rafinha - 33 anos
Sóbis - 32 anos
Bruno Silva - 31 anos


Isso porque ainda tem o Fred, com 34 anos, lesionado. O time é muito cascudo para Copas, mas precisa se preservar fisicamente para campeonatos longos e para a nova maratona que será o segundo semestre.


Nas últimas partidas, vitória contra o Ceará, empate com o Vasco, e derrota para a Chapecoense, ficou visível o desgaste físico de vários atletas. Geral estava bufando e com a língua pra fora ao final dos jogos.


Uma vitória contra o Paraná é essencial para o grupo passar esses 30 dias de recesso descansando, recuperando fisicamente e trabalhando para voltar com aquele futebol e performance de maio.


Não sei se vocês já viram, mas o Cruzeiro já enfrenta o Atlético-PR na segunda-feira, logo após a final da Copa. Haja coração, e pernas, e pulmão, amigo!