É fácil pedir a saída de Barbieri, complicado é achar alguém pra colocar no lugar

O atual treinador rubro-negro talvez seja um dos exemplos mais claros do tipo de tortura psicológica a que o Flamengo vem submetendo sua torcida nos últimos anos. Afinal, quando Barbieri foi efetivado, um treinador inexperiente e com cara de professor de handebol de colégio particular, era fácil acreditar que não ia durar. Mas se ele já entrasse de cara numa série de derrotas vexatórias, fosse demitido depois de um mês, seria um fracasso, claro. Mas sem ninguém esperar nada além disso, não seria uma decepção. E o Flamengo atualmente é especialista nisso, em decepcionar.


Então Barbieri precisou primeiro colocar o time nos eixos. Aprimorando o projeto tático deixado por Carpegiani ele fez o 4-3-3 funcionar, recuou Paquetá, colocou Vinícius Jr de titular, classificou o time na Libertadores e levou o Flamengo até a liderança do Brasileirão, chegando a abrir 4 pontos de vantagem e fazer dos flamenguistas o único grupo de brasileiros que acompanhou a Copa quase torcendo pra que ela acabasse logo, porque o futuro do time na temporada parecia nada menos do que brilhante. Nós estávamos, é claro, errados.


Porque logo depois do Mundial o Flamengo voltou a sim, isso mesmo, decepcionar. Sem Vinícius Jr, vendido para o Real Madrid, a equipe perdeu uma válvula de escape pela ponta que nenhum outro jogador do elenco, nem mesmo o milionário Vitinho, conseguiu repor. Seja Uribe, seja Dourado, seja Lincoln, nenhum centroavante rubro-negro vem sendo capaz de encostar na bola depois do aquecimento, quanto mais fazer um gol. E como se não bastasse isso, os laterais, que nunca foram grande coisa, confirmaram a máxima de que de onde menos se espera é que realmente não vai sair nada mesmo.


Gazeta Press
Gazeta Press

Quando você tá se perguntando quem foi o idiota que escalou o Uribe e lembra que foi você


E no meio disso tudo, Maurício Barbieri vem dando cada vez mais a impressão de estar perdido. Preso num esquema tático que não parece mais funcionar, refém de um elenco que não oferece as opções que ele precisa, incapaz de gerar qualquer mudança numa equipe que num curto espaço de tempo foi eliminada da Libertadores, ficou pra trás no Campeonato Brasileiro e parece ter algum programa já marcado pras noites de meio de semana, dado o esforço que está realizando para sair logo da Copa do Brasil.


Mas ainda que seja totalmente compreensível o anseio da torcida por um novo técnico que possa corrigir o rumo do Flamengo nas duas competições que ainda restam, a verdade é que as opções não são exatamente animadoras. Luxemburgo, um treinador que hoje alegra muito mais a torcida com aparições em programas de TV do que comandando equipes? Levir Culpi, essa jovem promessa de 65 anos? Dorival Junior, que pode se gabar de ser diretamente responsável pela atual fase do São Paulo, mas infelizmente sua colaboração foi ser demitido? É complicado ver entre os nomes cogitados alguém que pareça capaz de causar mudança imediata na equipe e também conduzir um trabalho de qualidade para o próximo ano.


Então não seria talvez o caso de permitir que Barbieri termine a temporada mas já negociar com um técnico realmente interessante para o ano que vem, alguém como Renato Gaúcho ou Abel Braga, por exemplo? Porque sim, o time precisa de uma chacoalhada, com certeza, mas será um Dorival Junior da vida a pessoa certa para isso? Ou estaria o Flamengo, mais uma vez, apenas tomando uma decisão precipitada que não gera sucesso mas sim uma nova multa rescisória a ser paga?


A verdade é que no atual momento é complicado saber qual é a decisão certa. Manter Barbieri confiando que ele pode ainda mudar o rumo do trabalho? Trazer logo um novo treinador e esperar que o baque salve o que ainda resta do ano? Independente do que a diretoria decidir fica a expectativa de que ao menos dessa vez o Flamengo consiga quebrar a fórmula dos últimos anos e não decepcione mais uma vez a sua torcida. Existe um limite pro quanto de tortura alguém pode aguentar e o flamenguista com certeza já está bem perto do seu.