O Flamengo foi o atrasado do Enem desse Brasileirão

Por mais que algumas das limitações de sempre tenham mais uma vez ficado óbvias - Réver na próxima temporada precisa migrar para o showbol, sempre que Pará entra em campo o espírito de Charles Miller repensa sua decisão de trazer o futebol para o Brasil, Vitinho precisa treinar chutes de curta distância até o pé cair - é impossível negar que a atuação do Flamengo contra o Grêmio foi uma das melhores da equipe nesse campeonato brasileiro.


Primeiro porque finalmente o Flamengo se mostrou capaz de decidir uma partida. Muitas chances foram perdidas? Claro, óbvio, vivemos situações bizarras que foram desde o já mencionado Vitinho novamente isolando uma chance clara até Cuellar conseguindo chutar uma bola de encontro à sua própria mão, mas Uribe (apesar de ser realmente questionável o uso de golpes de kung fu no futebol contemporâneo) e Diego aproveitaram muito bem as oportunidades criadas e souberam definir o resultado em momentos chave do jogo.


E depois porque, também finalmente, o Flamengo conseguiu abrir uma vantagem sem logo depois vacilar na defesa. Isso quer dizer que Réver e Rhodolfo sejam a dupla ideal para 2019? Não, porque não apenas Réver cada dia mais se aproxima do tenente Murtaugh da franquia Máquina Mortífera e se mostra “velho demais para essa merda” e Rhodolfo não deu provas de que consegue jogar 3 partidas seguidas como, apesar da dedicação de Renê, as laterais ainda são um problema grave na equipe. Mas ao menos César vem aproveitando as oportunidades para mostrar que, mesmo ainda precisando evoluir, ele pode brigar seriamente com Diego Alves por uma vaga na próxima temporada - se Diego Alves chegar a continuar na Gávea.


Site Oficial Flamengo
Site Oficial Flamengo

Segundo relatos os torcedores teriam abraçado Diego e dito "ah, então AGORA vocês resolveram jogar bola? bacana, hein"


Mas por mais que a vitória sobre a equipe gaúcha - uma das melhores do continente e agora totalmente focada no Brasileirão - tenha sido animadora, ela não deixa de, ao mesmo tempo, ser frustrante para o torcedor, já que na mesma noite em que conquistamos esse bonito triunfo o Palmeiras, sem maiores dificuldades, venceu o América-MG e agora precisa apenas de dois empates - ou um tropeço nosso - para garantir o Brasileirão de 2019.


E ainda que sejam óbvios os méritos do provável campeão alviverde - a equipe ainda não perdeu nesse campeonato sob o comando de Felipão - é inegável a sensação de frustração ao ver, mais uma vez, que o Flamengo obviamente era capaz de muito mais do que mostrou durante a temporada e escolheu exatamente uma das últimas rodadas do campeonato para nos lembrar disso.


Afinal, vitórias como a dessa quarta-feira contra o Grêmio, em que a equipe soube controlar a partida e fazer valer sua qualidade, apenas tornam mais constrangedores resultados como as derrotas para Ceará e Botafogo ou mesmo os empates contra São Paulo e Palmeiras em que a equipe teve a partida nas mãos mas não conseguiu ser decisiva. Atuar bem agora, quando o título se tornou menos uma chance real e mais uma remota possibilidade matemática, acaba sendo igual a estudar muito mas chegar meia hora atrasado na prova do ENEM: independente da sua capacidade e da qualidade que você mostrar apenas é tarde demais para que isso faça alguma diferença.


Seguimos torcendo por tropeços da equipe paulista nessa reta final? Claro. Mas não podemos esquecer que, em diversos momento do ano, o Flamengo dependeu apenas de si mesmo para atingir seus objetivos e, seja por deficiência técnica, desleixo ou desatenção, jogou suas chances fora. E se quisermos ganhar títulos em 2019 isso não pode se repetir, afinal, não adianta nada estudar e se preparar se você vai ficar dependendo de um improvável buraco no muro pra conseguir fazer a prova.