Prometer Dedé e deixar Rodrigo Caio debaixo da árvore é a maior sacanagem que o Papai Noel já fez

Imagine uma criança pequena que esperou o ano todo pelo natal. Perturbou os pais, encheu o saco dos avós, falou com todos os tios, escreveu cartinha pro Papai Noel, tudo isso pra ganhar um videogame de última geração. Colou o boletim na geladeira pra mostrar que foi bom aluno, deixou de perturbar a irmãzinha, e aí, ao acordar cedo na manhã do dia 25 de dezembro, rasgou o embrulho para descobrir que havia ganho um Polystation. Sim, a versão genérica do Playstation que roda jogos de Super Nintendo. Sim, Super Nintendo, o que não tem FIFA 19 mas sim International Superstar Soccer Deluxe.


É mais ou menos assim que o torcedor rubro-negro se sente diante da informação de que o primeiro reforço do time para 2019 é o zagueiro Rodrigo Caio.


Não que fosse fácil cumprir a meta de trazer Dedé para a defesa do Flamengo, claro. O zagueiro do Cruzeiro é, ao lado de Geromel, o melhor jogador da posição no país e o tipo de atleta do qual qualquer clube só iria se desfazer diante de uma proposta financeira indecente ou de uma grande forçada de barra do atleta pra sair, o que não parece ser o caso. Ou seja, é o tipo do nome que a diretoria fez certo de abordar mas que não se pode condenar nenhum dirigente por não conseguir trazer.


E também não é como se Rodrigo Caio fosse o pior zagueiro do mundo, claro. Tendo na bagagem a medalha de ouro olímpica e passagens pela seleção brasileira, é preciso reconhecer que com certeza melhor do que nomes recentes da zaga rubro-negra como Rafael Vaz e César Martins o jogador revelado pelo São Paulo já demonstrou ser.


Gazeta Press
Gazeta Press

Parece um ótimo estagiário pra sua empresa de engenharia, mas seria titular na sua zaga?


Mas num cenário em que foram cogitados nomes como o já citado Dedé, Geromel e Miranda, jogadores que chegariam para não apenas assumir a titularidade absoluta como até mesmo oferecer mentoria aos nosso jovens zagueiros como Léo Duarte e Thuler, é complicado não classificar a contratação de Rodrigo Caio como, no mínimo, frustrante.


Primeiro porque, se confirmada a sua chegada, Rodrigo não deve vir barato. Com um salário atual na casa dos 400 mil reais e vindo de uma negociação frustrada com o Barcelona, o zagueiro com certeza chegará ao Flamengo sendo pago como um jogador de ponta mas sem, aos 25 anos, nunca ter realmente mostrado a qualidade esperada de jogadores com esse status. 


E depois porque é preciso reconhecer que Rodrigo Caio não tem exatamente o perfil do Flamengo. Atleta temperamental e sem perfil de liderança, já foi chamado de “jogador de condomínio” por dirigentes do próprio São Paulo e tem todo o jeitinho de quem vai reclamar de pressão da torcida, se considerar injustiçado e não aceitar caso seja mandado pro banco de reservas. A sensação é de que, mais do que uma contratação estudada, a vinda de Rodrigo aconteceu porque bem, o time precisava de um zagueiro, a diretoria viu esse nome todo dia no noticiário, decidiram conversar. 


É possível que tenhamos uma grande surpresa e Rodrigo Caio seja exatamente o que faltava pra zaga do Flamengo? Claro. É possível que tenhamos uma surpresa ainda maior e ele não seja a única contratação pra zaga, sendo anunciado em breve um zagueiro que realmente transmita confiança e empolgue a torcida? Sim, é possível. Mas o fato é que após tanta espera a torcida merecia um presente de natal atrasado melhor do que um jogador de relação custo-benefício questionável e que parece não ter nem remotamente o espírito exigido pra jogar com a camisa rubro-negra.