Enquanto Rodinei for lateral do Flamengo nunca haverá paz na Terra

Antes que você diga qualquer coisa: sim, eu sei. Eu sei que era o time reserva do Flamengo, eu sei que era um jogo que não valia nada, eu sei que era um campeonato que não vale menos ainda. Eu sei que o que importa é a Libertadores, eu sei que o regulamento do Campeonato Carioca é tão varzeano que mesmo se o Flamengo perdesse todos os jogos ou escalasse só o seu time infantil de remo ele ainda iria acabar aparecendo na semifinal. A partida desse sábado, racionalmente falando, tem tanta importância para a temporada do Flamengo quanto um duelo de War entre Renê, Léo Duarte, Uribe e William Arão interrompido porque já na segunda rodada Arão dormiu no tabuleiro e bagunçou as peças.


Mas ao mesmo tempo esse empate entre Flamengo e Vasco, em que a equipe rubro-negra no segundo tempo teve ao menos quatro chances de matar a partida, sendo a mais clara com Rodinei, mas acabou desperdiçando todas e levando, no último minuto, o gol do empate, é sim importante, porque ele reflete, e muito, o que vem sendo o Flamengo nos últimos anos.


Porque o empate, a falha de Rodinei, a simples presença de Rodinei em campo, são não apenas reflexo do problema crônico da lateral-direita do Flamengo como também desequilíbrio que existe na montagem do time. Afinal, se estamos falando de uma equipe que pode se dar ao luxo de não apenas ter como reserva um atacante de 50 milhões de reais como não saber direito o que fazer com um meia de 70 milhões, se espera que os outros setores da equipe apresentem um mínimo de qualidade e não que o lateral-direito reserva (que é mais ou menos uma versão mais simpática do titular) seja incapaz de empurrar uma bola para dentro do gol vazio em um momento chave de um clássico.


Gazeta Press
Gazeta Press

Clássico caso do jogador que eu queria ter como amigo, mas não como lateral


E depois porque Rodinei talvez seja um dos jogadores que melhor representam a onda de mediocridade e conformismo que vem dominando o Flamengo nos últimos anos. Afinal, ele é um atleta dedicado? Com certeza. Já teve seus bons momentos com a camisa rubro-negra? Obviamente. É talvez um dos jogadores do atual elenco com quem deve ser mais divertido fazer um churrasco? Não há dúvidas. Mas Rodinei - e seu irmão adotivo Pará - são jogadores que tem condições de ocupar a lateral de uma equipe que sonha com grandes títulos no futebol internacional? Por mais que fiquem ótimos nas propagandas da TV Fla eles realmente não são.


Então é exatamente por esse jogo não valer nada, por esse campeonato não valer nada, que ele serve como alerta perfeito para quando estivermos disputando o que realmente importa. Alerta de que o Flamengo não pode depender de jogadores como Rodinei, alerta de que não se pode perder meia dúzia de chances seguidas de matar um jogo, alerta de que um treinador não pode improvisar um volante na zaga e deixar um zagueiro no banco se não quiser queimar o volante e o zagueiro.


Porque não é apenas o fato de que o Flamengo merece mais do que Rodineis ou deveria querer mais do que o Rodineis. É o fato de que, por mais legal que o Rodinei seja, pra ser campeão o Flamengo vai precisar de gente que jogue num nível muito, mais muito mais alto que o dele.


(esse texto é especialmente dedicado aos amigos da página "Enquanto o Rodinei for lateral do Mengão eu nunca mais viverei com alegria")