O Fluminense contrariou seus instintos para finalmente vencer a Chapecoense

É estranho dizer isso, mas: o Fluminense venceu a Chapecoense. Depois de oito jogos e quatro anos sofrendo com esse adversário específico, o Tricolor das Laranjeiras quebrou um dos tabus mais bizarros que poderia ter em toda a sua história centenária. Em alguns momentos, especialmente no segundo tempo, bem que tentamos, mas dessa vez não teve como perder.


O jogo não poderia ter começado de maneira melhor. Enquanto eu assistia, quase que de luto, Salah se machucar na final da Champions League, Pedro abria o placar depois de uma assistência completamente sem querer de Gilberto. Quando Marcos Jr, assistido pelo jogador da Chape, que encobriu o próprio goleiro, ampliou, eu pensei: "tá tudo dando certo, agora vai!"


Lucas Merçon/Fluminense FC
Lucas Merçon/Fluminense FC

Do jeito que a temporada caminha, somos nós que devemos te reverenciar, Pedro


Ledo engano desse inocente escritor que vos fala. A partir daí, o Fluminense recuou suas linhas e a Chapecoense conseguiu equilibrar o jogo. Fomos para o intervalo com uma boa vantagem e uma atuação não tão boa quanto as anteriores, mas bem aceitável.


O gol da Chapecoense ligou um sinal de alerta na minha cabeça, gritando um "não é possível". Falta infantil de Luan Peres, barreira abrindo e Júlio César completamente vendido no lance. Depois disso, pressão absurda dos visitantes, que chegaram muito próximos de empatar por algumas vezes. Em determinados momentos, eu sinceramente não sei como a bola não entrou. A maioria deles, aliás, foi durante o filme de terror chamado Cruzamentos Contra A Defesa do Fluminense.


Lucas Merçon/Fluminense FC
Lucas Merçon/Fluminense FC

Quando a Chape diminuiu e botou pressão, eu tava só o Abel com essa cara de "vai dar ruim"


Aí, apareceu nosso salvador: em boa jogada de Gilberto - que foi muito bem ofensivamente hoje - Pedro aproveitou a falha do defensor e emendou um golaço para garantir a vitória. 


Foi bom para lavar a alma do tricolor que não aguentava mais passar perrengue contra a Chapecoense. E acaba com alguma pressão que o elenco teria para todos os confrontos contra esse time. Até porque usarem esse histórico o tempo todo, querendo ou não, acabava pesando.


Lucas Merçon/Fluminense FC
Lucas Merçon/Fluminense FC

Quase 15 mil pessoas no Maracanã, em dia onde menos de um quarto da frota de ônibus da cidade estava funcionando. Lindo de se ver. Nota 1000 para essa torcida.


Venceu o Fluminense. Ainda bem!


PS1: Eu acho que vou morrer antes dos 30 anos de idade por conta das bolas alçadas na área tricolor. Cada uma delas me causa um microinfarto.


PS2: Algumas pessoas pontuaram sobre o título do último texto, que fazia alusão a "falta de combustível" e que isso seria uma piada relacionada à tragédia da Chapecoense. Óbvio que não foi. Como deixei claro dentro do texto, era uma referência à falta de combustível pela greve dos caminhoneiros. Eu nunca faria esse tipo de piada com uma tragédia como aquela. Trabalhei no dia, cobrindo os acontecimentos e era uma dificuldade enorme segurar o choro a cada notícia. Caso tenham interpretado dessa forma, peço desculpas, mas passou longe de ser a intenção.


PS3: As notas de hoje vão ser bem aleatórias e muito mais puxadas para o humor, já que não pude prestar 100% de atenção no jogo por motivos de: estava vendo a final da Champions ao mesmo tempo.


Júlio César - Nota 8: Só pelas duas defesas em sequência, no reflexo, quando o jogo ainda estava 2 a 1.


Gilberto - Nota 7,5: Duas assistências e boa chegada ofensiva. Precisa de mais? É basicamente isso que precisamos dele.


Renato Chaves - Nota "Eu Não Aguento Mais": Revejam o lance em que JC nos salvou e me digam quem dava condição para todos os jogadores da Chape dentro da área.


Gum - Nota "Volta": Se machucou logo no primeiro tempo. Tomara que não seja nada grave.


Luan Peres - Nota 5: Parecia que estava lutando Taekwondo dentro de campo hoje. No lance do gol dos caras, chutou o peito do rival. E ainda fez uma outra falta parecida mais tarde. Para piorar, foi um dos que abriu a barreira.


Marlon - Nota 5: Eu perco 2 anos de vida a cada chute de longe que ele erra.


Richard - Nota 5,5: Me pareceu que até foi bem durante o jogo (posso estar errado), mas foi o principal responsável pelo buraco na barreira que resultou no gol de Arthur Caíque.


Jadson - Nota 6: Apareceu menos do que o costume e teve um jogo abaixo. Tem crédito demais ainda.


Sornoza- Nota "Chuta No Gol": Me irritou de tanta bola que eu achei que poderia ter finalizado e preferiu dar mais uma carregada em busca de um passe desnecessário. Vinha finalizando mais vezes nos últimos jogos (ponto que achei positivo). Mas segue o baile.


Marcos Jr - Nota "RESOLVE": O exagero é só pelo lance de oportunismo no segundo gol, já que deixou o gramado no intervalo por conta de uma lesão. Mais um que não pode ter nada grave, principalmente se o substituto for o Robinho.


Pedro - Nota "MELHOR QUE O DOURADO": Gigante. Dois gols de oportunismo. Brigando firme para ser um dos melhores do time na temporada.