Fim dos testes no Internacional: planejamento ou mudança de rumos?

Ricardo Duarte
Ricardo Duarte

Derrota para o Xavante decretou o fim do período de testes no Internacional


Na coletiva após a derrota para o Brasil, em Pelotas, Odair Hellmann decretou o fim do período de testes no Internacional. A partir do jogo contra o São José, no Beira-Rio, a intenção do treinador é utilizar o que há de melhor no plantel, adicionando ao time dito “titular” aquele(s) jogador(es) que mostrou(mostraram) serviço nas seis partidas do Inter até aqui – cinco pelo Gauchão e uma pela Copa do Brasil. Considerando o contexto da declaração, uma coletiva de imprensa depois de uma derrota em que tanto o time quanto o próprio técnico foram muito criticados pela imprensa e pelo torcedor, a pergunta que fica é: o final dos testes realmente estava na programação ou, mais uma vez, o planejamento foi alterado por conta dos resultados de campo?


Não se pode negar que a semana do Inter foi terrível. O empate contra o Boavista e a derrota contra o Xavante certamente não estavam nos planos da comissão técnica e, muito menos, do torcedor. Vá lá que o 1-1 em Cascavel até seria aceitável diante da classificação para a próxima fase (e do nosso histórico na competição), mas o 2-1 em Pelotas, e a consequente quebra de um tabu que já durava 22 anos, somados ao futebol de baixa qualidade apresentado em ambas as partidas acendeu o sinal amarelo no Beira-Rio. Nesse contexto, é até natural que o torcedor volte a se preocupar, diante de tudo que aconteceu no clube nesses últimos dois anos. O caminho até o rebaixamento, em 2016, e a claudicante passagem pela Série B, em 2017, deixaram marcas que ainda levaremos algum tempo para superar. Por conta disso, qualquer desempenho medíocre do time nos remete imediatamente a esse período lamentável e ainda tão recente na nossa memória.


Mas assim é o torcedor. A ele, permite-se a irracionalidade; afinal, somos movidos pela nossa paixão. Quando nos expressamos, o fazemos com coração e querendo o bem do nosso clube, mesmo que em certos momentos sejamos injustos com os jogadores ou a comissão técnica. Só que isso é um lado da questão. Porque, quando ouvimos um dirigente (ou alguém envolvido diretamente com o futebol), esperamos um comportamento exatamente oposto. Se o torcedor é suscetível a opiniões externas e reage pedindo a cabeça do treinador ou a saída deste ou daquele jogador diante de um resultado negativo, o mesmo não pode acontecer com quem comanda o clube. O dirigente precisa ser racional e manter a serenidade mesmo diante do pior cenário para tomar a decisão correta que respeite o planejamento da temporada. Só assim proporcionará um mínimo de estabilidade e sustentação para a comissão técnica e o grupo de jogadores.


Ricardo Duarte
Ricardo Duarte

Dois resultados ruins na mesma semana foram suficientes para Odair ser questionado pela imprensa e torcida


Não há motivos para duvidar do nosso técnico quando ele afirma que a partir de agora utilizará o que o grupo oferece de melhor; mas o histórico dessa própria direção me faz, neste momento, questionar se essa decisão realmente fazia parte do planejamento ou se foi imposta a Odair diante dos resultados ruins dessa semana.


Lembre-se: Antônio Carlos Zago era convicção. Guto Ferreira, idem. Mas ambos não duraram seis meses no cargo. Odair Hellmann é convicção? A comissão técnica está sendo devidamente apoiada pela direção de futebol? Não seria importante seguir fazendo testes no Gauchão, uma competição em que o Inter certamente se classificará para a próxima fase? De minha parte, compreendo a necessidade de testar os novos contratados e, principalmente, os jogadores da base que se destacaram no Brasileirão de Aspirantes e na Copinha. E entendo que esses testes podem causar resultados inesperados em campo. Faz parte.


Obviamente que os resultados são importantes. Mas o desempenho da equipe é ainda mais. E o apoio da direção de futebol a um técnico em início de trabalho, que tem história no clube (e na Seleção) mas que recém começa sua trajetória profissional, é fundamental. O futebol apresentado pelo Inter contra Boavista e Brasil foi abaixo da crítica, mas imaginar que o clube esteja mudando de rumo com apenas um mês de temporada é o que me deixa REALMENTE preocupado.


#VamoInter