Inter: chegou a hora de despertar na Serie A

Divulgação/Internazionale
Divulgação/Internazionale

Aos 86, Vecino voou para antecipar Juan Jesus e empatar uma partida que a Inter deveria ter vencido


50 dias já se passaram desde a última vitória da Inter. Naquele distante 3 de dezembro, o time de Luciano Spalletti teve seu último suspiro de grande futebol ao vencer o Chievo por 5 a 0. Uma atuação mágica coletivamente que premiou Ivan Perisic, autor da tripletta que protagonizou a goleada no San Siro. Mas como no 7 a 1 sobre a Atalanta em março, o canto do cisne do time de Stefano Pioli na última temporada, a Beneamata adormeceu.


Desde então, foram oito partidas disputadas e nenhuma vencida no tempo normal - o único triunfo no período foi contra o Pordenone, da terceira divisão, na disputa de pênaltis. Empates nas partidas grandes contra Juventus, Lazio, Fiorentina e Roma e derrotas para Udinese e Sassuolo no campeonato, além da humilhante eliminação para o Milan na copa. Antes líder da Serie A, agora a Inter é quarta e tem onze de desvantagem para o Napoli.


No último domingo, no entanto, o time de Spalletti esboçou uma reação. Contra a Roma, que também vive momento ruim na temporada e, inclusive, não aproveitou a queda da Inter no último mês, a equipe comandou as ações do jogo em Milão. Exceto pelas perdas de bola de Roberto Gagliardini quando pressionado, os giallorossi jamais ameaçaram Samir Handanovic, que não fez nenhuma defesa e interviu apenas uma vez um contra-ataque.


Quem estava atento ao jogo conseguiu perceber a mudança no posicionamento do time, do 4-2-3-1 para o 4-1-4-1, o que permitiu Matías Vecino atuar alguns metros mais próximo do gol e tornou o uruguaio uma peça importante de transição junto com Antonio Candreva, abrindo o corredor para João Cancelo. Já Borja Valero esteve mais próximo de Gagliardini e resgatou Perisic, mas novamente impreciso e distante de Mauro Icardi, que lutou bastante para tocar na bola, produziu três oportunidades de gol e parou em Alisson.


Divulgação/Internazionale
Divulgação/Internazionale

Mais uma vez isolado, Icardi lutou para encontrar espaço e levou perigo para a Roma, mas parou no melhor goleiro do campeonato


O gol de Stephan El Shaarawy na segunda metade da etapa inicial foi um duro golpe para a Inter, que naquele momento não estava encontrando mais soluções para sair pela direita e atacava muito pouco. A falha de Davide Santon pesou ainda mais para a equipe mentalmente, que perdeu confiança em uma partida que dominava. O controle foi retomado somente após o intervalo, quando amassou a Roma no seu campo, especialmente depois da entrada de Éder. Icardi finalmente foi apoiado e o time passou a pisar na área adversária.


Alisson voltou a brilhar no seu gol depois da assistência para El Shaarawy, e o gol de empate acabou saindo muito tarde, com menos de dez minutos para o final do jogo. O 1 a 1 saiu em um lance que exaltou o plano de Spalletti, que tornou a mudar o posicionamento do time no segundo tempo, dessa vez no 4-3-3, abrindo Marcelo Brozovic na esquerda, que cruzou para Vecino completar de cabeça na segunda trave. Era exatamente o que se cobrava dos meio-campistas em um sistema que precisa muito das jogadas laterais.


Atrás de Napoli, Juventus e Lazio, a Inter precisa aproveitar a folga na tabela para despertar e defender seu lugar no G4. Com a vantagem no confronto direto contra a Roma, depende apenas de si para se manter na zona de classificação para a Liga dos Campeões nas próximas semanas, quando enfrentará Spal (fora), Crotone (casa), Bologna (casa), Genoa (fora) e Benevento (casa). Em março terá Milan, Napoli (casa) e Sampdoria (fora) e precisa chegar na data Fifa entre os quatro primeiros.


Mudando de assunto, Lisandro López e Rafinha são reforços pontuais para um elenco curto e com poucas alternativas para Spalletti, tanto para manter - Ranocchia era o único zagueiro disponível no banco - como para alterar o sistema. O meia-atacante brasileiro, aliás, possibilita diversos cenários para o treinador por causa da sua versatilidade e qualidade técnica. Concorrência para Valero, Brozovic, Candreva e Perisic, que precisam reagir o quanto antes.