Mercado interista começa promissor, mas tem muitos desafios para superar

Getty Images
Getty Images


Nesta temporada, a janela de transferências da Serie A abrirá no dia 1º de julho e ficará assim somente até 17 de agosto, fechando um dia antes do campeonato começar. Contudo, a Inter já antecipou três contratações, depositando seus contratos no último mês, apesar de ainda não ter anunciado oficialmente - Stefan de Vrij, Kwadwo Asamoah e Lautaro Martínez, portanto, serão comentados somente quando isso acontecer. O primeiro passo já foi dado, mas há muito trabalho para Piero Ausilio e companhia.


Por exemplo, o clube perdeu o tempo de exercer o direito da contratação em definitivo de João Cancelo por 35 milhões de euros, que tinha exclusividade até 31 de maio. Se ainda quiser o lateral, recentemente oferecido ao Wolverhampton por € 40 milhões e que também interessa grandes clubes, terá que fazer outro acordo com Jorge Mendes e o Valencia, que tem urgência para negociar o atleta por também ter problemas com o Fair Play Financeiro. Um enorme entrave que afasta o português de Milão.


Situação um pouco diferente de Rafinha, cuja exclusividade da contratação em definitivo, também por € 35 milhões, segue até o último dia oficial da temporada 2017/18. De qualquer forma, esse acordo não será respeitado porque o clube simplesmente não pode registrar no balanço financeiro que se encerra neste 30 de junho uma contratação tão elevada. Na verdade, além de não poder gastar mais nesse ano fiscal, a direção precisa ajustar as contas para respeitar o que foi determinado pela Uefa em 2015.


No caso do brasileiro, o que mantém otimismo em Corso Vittorio Emanuele é a boa relação com o Barcelona e, em especial, com seu representante, Mazinho. Partindo do pressuposto que as três partes seguem o mesmo objetivo, o que Ausilio precisa acertar agora é um novo acordo com os catalães. Ou seja, adiar a contratação para o próximo balanço, seja com um novo empréstimo ou um valor mais próximo da realidade de um jogador desvalorizado e que ficou quase um ano sem jogar antes de ser recuperado em Milão.


Getty Images
Getty Images


Dessa forma, hipoteticamente, a Inter começará a próxima temporada sem dois titulares. Hoje, essas duas posições são as prioridades para reforçar o elenco, que ainda precisa de ajustes importantes no meio-campo e nas pontas, além das renovações de Icardi, Skriniar, Miranda, D’Ambrosio e Candreva. No momento, a missão da direção é evitar um vermelho de € 40 milhões no balanço. Para isso, logicamente precisará ter um ganho de capital nesse valor até 30 de junho.


Sim, é mais ou menos o mesmo da drama do ano passado, quando venderam Éver Banega, Stevan Jovetic e Gary Medel desvalorizados e mais uma turma de jovens formados no setor juvenil, com a grande diferença que precisam fazer € 10 milhões a mais. Por enquanto, a única venda concretizada foi a de Geoffrey Kondogbia (€ 25 milhões), que gerou um ganho consideravelmente baixo por causa dos custos da sua transferência em 2015, valor pouco depreciado desde então.


Seguindo o exemplo do francês, as saídas em definitivo de outros jogadores que passaram a temporada emprestados provavelmente é o caminho mais fácil para chegar nesse objetivo. Casos de João Mário (West Ham), Yuto Nagatomo (Galatasaray), Jonathan Biabiany (Sparta Praga), George Puscas (Novara), Samuele Longo (Tenerife), Rey Manaj (Granada), Francesco Bardi (Frosinone), Raffaele Di Gennaro (Spezia), Andrei Radu (Avellino), Andrea Palazzi (Pescara), Francesco Forte (Spezia) e entre outros.


Getty Images
Getty Images


Já contando com De Vrij, Asamoah e Martínez, além de desconsiderar Cancelo e Rafinha, hoje o elenco tem 21 jogadores. Pensando nas regras de inscrição de jogadores da Serie A e da Uefa, em que é possível inscrever até 25 na “lista A”, são treze livres (Handanovic, Dalbert, De Vrij, Miranda, Skriniar, Asamoah, Brozovic, Valero, Vecino, Éder, Karamoh, Martínez e Perisic) e oito “formados localmente” (Berni, Padelli, D’Ambrosio, Ranocchia, Santon, Candreva, Gagliardini e Icardi), sendo um “formado no clube” (Santon).


Portanto, caso não tenha mais três “formados no clube”, cujo mínimo exigido são quatro jogadores, três vagas precisam ficar desocupadas, restando apenas mais um espaço. Isso, claro, partindo do pressuposto que a Inter poderá registrar 25 na Liga dos Campeões, o que não tinha acontecido na última participação em competição da Uefa, em 2016/17, quando perdeu quatro vagas. Já na Serie A, importante ressaltar que Martínez (09/1997) e Karamoh (08/1998) são sub-21 e não entram nessa conta.



Jogadores livres (11/13): Handanovic, Dalbert (extracomunitário), De Vrij, Miranda (extracomunitário), Skriniar, Asamoah (extracomunitário), Brozovic, Valero, Vecino, Éder, Karamoh (sub-21), Martínez (extracomunitário, sub-21) e Perisic
Jogadores formados localmente (7): Berni, Padelli, D’Ambrosio, Ranocchia, Candreva, Gagliardini e Icardi
Jogadores formados no clube (1): Santon



Para liberar mais espaço e buscar o ganho de capital de € 40 milhões até o final do mês, o que ainda pode acontecer são algumas saídas no elenco. Enquanto o Monaco fez uma proposta informal por Dalbert de € 3 milhões pelo empréstimo com direito de compra por € 24 milhões, Éder também pode estar com os dias contados na Pinetina. Isso tudo sem considerar o grande interesse por Milan Skriniar, Marcelo Brozovic, Ivan Perisic e Mauro Icardi, que hoje formam a espinha do time.


Getty Images
Getty Images


Por fim, e não menos importante, outra fonte para chegar aos € 40 milhões são as vendas de jogadores formados em Interello. Ao contrário dos profissionais, muitos chegaram ao clube sem custos e não possuem grandes salários, representando valores irrisórios no balanço financeiro por não terem o que amortizar. Ou seja, qualquer venda entre a garotada representa um ganho de capital considerável. E como a Inter tem um ótimo setor juvenil, não faltam interessados nos atletas produzidos.


A grande estrela de Interello é Andrea Pinamonti, que, contudo, não recebeu um único minuto com Spalletti, mesmo compondo oficialmente o elenco do time principal e participando dos compromissos do sub-19 apenas na Youth League. Seu grande erro, pensando no futuro no clube, é que se tornou um cliente de Mino Raiola, muito pouco respeitado em Corso Vittorio Emanuele. Por outro lado, o agente tem ótimos contatos e já busca um novo destino para o centroavante, avaliado por volta de € 10 milhões pela Inter.


Outros destaques do time de Stefano Vecchi nesta temporada também já receberam sondagens e a direção deve tentar negociá-los com cláusulas de recompra. O meia-atacante Nicolò Zaniolo é quem mais chama atenção, acompanhado pelo versátil meio-campista Xian Emmers e o lateral-direito Federico Valietti. Em menor escala, o goleiro Marco Pissardo, o zagueiro Manuel Lombardoni, o lateral-esquerdo Marco Sala e os atacantes Jens Odgaard e Matteo Rover também têm mercado.


Algo que incomoda bastante é que fatalmente teriam espaço na próxima temporada. Pissardo é um goleiro bastante promissor e passa mais segurança que Padelli e Berni, enquanto Vanheusden e Lombardoni poderiam ser opção para Skriniar, De Vrij, Miranda e Ranocchia. Já Valietti e Sala têm condições de brigar por espaço nas laterais, Emmers e Zaniolo seriam alternativas interessantes no meio-campo e Pinamonti, Odgaard e Rover dariam profundidade ao ataque. Todos entrariam na “lista B” por serem formados no clube.


Divulgação/Internazionale
Divulgação/Internazionale


Apesar da falta de experiência profissional, o time de Vecchi mostrou em várias ocasiões sua superioridade técnica, tática e física sobre os adversários do sub-19 na Itália. Campeões do Primavera e em Viareggio, também foram muito bem na Youth League, caindo somente nas quartas de final, na decisão por pênaltis, para um Manchester City muito mais calejado. Boa parte desses jovens também treinaram diariamente com Spalletti em 2018, além de terem participado da pré-temporada no verão passado.



Jogadores do sub-19: Pissardo, Lombardoni, Sala, Valietti, Vanheusden, Emmers, Danso, Gnoukouri, Zaniolo, Belkheir, Odgaard, Pinamonti e Rover - apenas jogadores nascidos antes de 2000
Emprestados livres: Nagatomo e João Mário - Murillo e Ansaldi têm mais um ano de empréstimo e serão vendidos em junho de 2019, enquanto Gabriel Barbosa ficará emprestado até dezembro deste ano
Emprestados formados localmente: Bardi, Manaj e Rivas - Bastoni tem mais um ano de empréstimo
Emprestados formados no clube: Costa, Di Gennaro, Di Gregorio, Mangano, Radaelli, Radu, Cagnano, Mattioli, Sgarbi, Belloni, Bonetto, Carraro, Palazzi, Taufer, Bakayoko, Biabiany, Forte, Longo e Puscas



Mas enquanto precisa resolver as questões com o FPF, a direção também já adianta os negócios para concluir quando a janela abrir. Afinal, diferente do que acontece em games como Football Manager e Fifa, transferências levam semanas, às vezes até meses, e o período de inscrição será menor a partir desta temporada, somente até o dia 17 de agosto. Majoritariamente, o elenco precisa de reforço em todos os setores, mas as funções mais necessitadas são a de lateral-direito, volante, meia-atacante e ponta-direita.


Especulações não faltam, mas acompanhando as notícias das fontes mais confiáveis como Gianluca Di Marzio e Alfredo Pedullà, é possível notar um padrão. O veterano Darijo Srna, sem contrato com o Shakhtar Donetsk a partir do próximo mês, pintou como uma alternativa barata para a direita, enquanto Milan Badelj, também livre da Fiorentina daqui algumas semanas, é uma opção interessante, mas seus representantes estão com conversas adiantadas com o Napoli, próximo de negociar Jorginho com o Manchester City.


Bastante comentado nos últimos dias, Mousa Dembélé provavelmente é o jogador mais atrativo disponível e as más línguas dizem que Kia Joorabchian, ele mesmo, está intermediando a transferência entre Inter e Tottenham. Já Kevin Strootman e Radja Nainggolan, velhos conhecidos de Spalletti, perderam prestígio na Roma e naturalmente foram especulados na Inter por seguirem o perfil que Ausilio busca para o meio-campo: jogadores com experiência internacional e adaptáveis ao sistema.


Sérgio Barzaghi/Gazeta Press
Sérgio Barzaghi/Gazeta Press


Malcom, que também está envolvido no grupo de influência de Kia, foi oferecido e interessa por se encaixar no perfil que a direção busca: canhoto, jovem e salário baixo. Os € 50 milhões pedidos pelo Bordeaux podem ser negociados, mas o interesse de grandes clubes da Premier League pode atrapalhar o plano, que seria o de arrastar e atrasar a transferência até o final da janela. Matteo Politano, Domenico Berardi e Simone Verdi, este bastante próximo do Napoli, são alternativas locais, mas estão abaixo do nível do titular Candreva.


Federico Chiesa, avaliado na casa dos € 60 milhões, parece estar fora da realidade que o FPF limita o clube, mas certamente é o perfil que mais interessa para as pontas. Se trata do jogador italiano mais talentoso atualmente, prestes a desabrochar para o futebol depois de um ano e meio como titular da Fiorentina, seguindo um processo de amadurecimento importante e que encontraria em Spalletti um treinador perfeito para desenvolvê-lo. Apesar da utopia, seguimos na esperança que haja alguma evolução nos próximos meses.


Entre buscar um ganho de capital de € 40 milhões para seguir os irreais e injustos parâmetros definidos pela Uefa, que tem uma boa ideia de criar responsabilidade nos gastos do clube, mas na prática apenas o limita a uma realidade quase impossível de seguir e competir com quem está acima, a Inter tem grandes desafios. Precisa reforçar o elenco para sua primeira Liga dos Campeões em sete anos e também para manter o crescimento na Serie A.


Enfim, a temporada ainda nem começou, a Copa do Mundo está batendo na porta e teremos muito o que repercutir em julho e agosto.